O melhor emprego do mundo

Parlamentares tiveram seis meses de “férias” em 2014 e salário de R$ 26.700

Além das inúmeras vantagens, parlamentares só passam três dias da semana em votações - os outros dois são supostamente usados para que trabalhem em suas bases

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Já pensou qual é o melhor emprego do mundo? Provavelmente o de parlamentar no Brasil. Além de receberem 13 salários anuais de R$ 26.700 – bastante acima da média nacional -, os deputados e senadores terão cerca de seis meses de “férias” em 2014, mais da metade do tempo. 

Além das inúmeras vantagens, como auxílio-moradia, apartamento funcional, passagens de avião pagas pelos contribuintes, carros oficiais para os membros mais importantes, plano de saúde ilimitado e até vale-terno, os deputados e senadores só passam três dias da semana em votações – os outros dois são supostamente usados para que trabalhem em suas bases. Eles também recebiam um 14º e 15º salário, que foram extintos em 2013.

Há também o chamado “cotão”, uma ajuda de custo de cerca de R$ 33 mil por cada parlamentar para ajudar no fretamento de aeronaves, alimentação, cota postal e telefônica, combustíveis, lubrificantes, consultorias, aluguel, despesas de escritório, serviço de TV e internet e até mesmo na divulgação do mandato. 

PUBLICIDADE

Além disso, não há plenário nem em janeiro, nem em dezembro. Este ano, foi improvisada uma folga para a Copa do Mundo – já que no mês que se passou, apenas dois dias de votações ocorreram no plenário, aprovando quatro projetos. Terminada a Copa, os deputados teriam uma semana de trabalho antes do recesso até as eleições – quando só terão votações se convocadas de emergência – mas apenas 136 dos 513 deputados compareceram ao congresso hoje. Paralisado por quatro meses, o congresso não terá funcionado por metade do ano de 2014. 

As votações às segundas-feiras não são comuns, mas havia sido convocado um esforço para esvaziar a pauta de votações antes do recesso parlamentar – que foi inutilizado, já que a quantidade presente não garantia o quórum mínimo para que se haja votações.