Para ter sucesso na carreira, Geração Y deve retomar valores de gerações antigas

Aprendizado entre diferentes gerações deve ser mútuo, sugere coach; Geração Y peca quando assunto é respeito e disciplina

SÃO PAULO – Se por um lado muitas empresas estão se reinventando para atrair os profissionais da Geração Y, por outro, alguns desses indivíduos, que se caracterizam por terem nascido a partir de 1978, apresentam falhas comportamentais que podem comprometer seu sucesso no mundo corporativo.

Já é possível observar que o mercado de trabalho está se modificando no sentido de reter os candidatos mais jovens. Exemplo disso são as mudanças nos planos de carreias das empresas, com foco nos anseios desses profissionais e, também, a flexibilização dos horários de trabalho.

No entanto, apesar das empresas estarem se esforçando para atrair e reter esses jovens, algumas de suas características comportamentais negativas pode limitar o sucesso da sua carreira. Nesse sentido, de acordo com a coach Liamar Fernandes, muitos profissionais da Geração Y pecam quando o assunto é respeito e disciplina.

PUBLICIDADE

Respeito e disciplina
É possível observar que alguns indivíduos da Geração Y simplesmente não respeitam a cultura das empresas em que trabalham. “Eles passam por cima como se aquilo não existisse”, afirma Liamar. Esse tipo de comportamento, que parece ser mais constante entre os profissionais das gerações mais novas, limita de forma importante o sucesso da carreira.

É importante, portanto, entender que as empresas têm suas normas e por mais liberais que os profissionais sejam é preciso respeitá-las. Nesse sentido, a sugestão é que os profissionais da Geração Y observem o comportamento, por exemplo, dos baby-boomers, que, em sua maioria, se caracterizam por respeitar as normas das empresas.

Liamar também destaca a questão da disciplina. De acordo com a experiência da coach em selecionar candidatos, os mais jovens, que possuem um espírito muito mais individualista, sobretudo quando comparados aos profissionais da Geração X (nascidos a partir de 1965) ou mesmo dos baby-boomers (nascidos entre 1946 e 1965), mostram pouco apego à disciplina.

Na prática, observa-se que os mais jovens não se comprometem com horário, com entrega de trabalhos, nem mesmo se mostram muito preocupados com a hierarquia. Esse tipo de comportamento, explica Liamar, não é observado em todos os profissionais da Geração Y, ou seja, não é algo generalizado, no entanto, aqueles que trabalham desta forma fatalmente perderão espaço no mundo corporativo.

Aprendizado mútuo
Liamar ainda avalia que profissionais de diferentes gerações devem sempre tentar aprender uns com os outros. Se os mais velhos são mais tolerantes, responsáveis, obedientes e pacientes, essas características devem ser observadas pelos mais jovens, no sentido de se tornar um profissional completo, habilidoso e competente.

Os mais velhos também podem aprender com os mais novos, sobretudo no que diz respeito à tecnologia e informática. “A Geração Y traz respostas rápidas utilizando recursos da informática com excelência”, finaliza.