Para Rosenberg, dados de emprego na indústria indicam acomodação do setor

Mesmo com aumento verificado no estado de São Paulo pela Fiesp, analistas esperam atividade industrial "morna" no futuro

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – De acordo com dados divulgados nesta sexta-feira (11) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o emprego no setor industrial mostrou queda de 0,1% em dezembro ante novembro após quatro meses de estabilidade, descontados os efeitos sazonais. Para a Rosenberg & Associados, os números confirmam a acomodação do setor.

Cabe lembrar que o fortalecimento do real prejudica a capacidade da indústria de competir com o produto importado, tanto em âmbito nacional, como também nas exportações pressionando o setor. Para a equipe da consultoria, Thaís Marzola Zara, Ariadne Vitoriano, Rafael Bistafa, Daniel Lima e Marcello A. Bruno, o fato de as contratações no setor seguirem em ritmo baixo é um sinal de que a atividade industrial deve permanecer “morna”.

Para a consultoria, embora a Fiesp tenha divulgado dados mostrando que o emprego na indústria paulista avançou ligeiramente em janeiro, o resultado não foi suficiente para alterar a percepção do mercado em relação à trajetória da indústria nacional. 

Aprenda a investir na bolsa

Mais dados sobre emprego na indústria
O valor real da folha de pagamento dos trabalhadores da indústria registrou aumento de 6,8% em 2010, de acordo com os dados da Pesquisa Industrial Mensal de Emprego e Salário. Este foi o resultado mais elevado desde 2004 (9,7%).

Por outro lado, a folha de pagamento real ajustada sazonalmente recuou 3,6% em dezembro, na comparação mensal. A Rosenberg avalia que o resultado foi fortemente impactado pela elevada inflação do final do ano.

A produtividade, de acordo com cálculos da própria consultoria, recuou 0,2% em dezembro frente novembro. Já na base anual, a queda foi de 0,9%.

O número de horas pagas aos trabalhadores do setor subiu 0,4% em dezembro, em relação ao mês anterior. Na comparação anual, o avanço foi de 3,6%.