Para montar uma casa digital, brasileiro precisa de mais de R$ 12 mil

Para ter produtos como TV, câmera digital e notebook, brasileiro tem que gastar 9,5 salários de R$ 1.274

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Os brasileiros que querem montar uma casa digital precisam preparar bem seus bolsos pois, segundo a pesquisa Índice da Casa Digital, da Marco Consultoria, eles precisarão de 9,5 salários de R$ 1.274, a renda média do brasileiro, de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o que dá mais de R$ 12 mil.

Em relação à última pesquisa, feita em maio de 2008, houve um aumento nos gastos, já que, naquele período, o consumidor precisaria de 7,5 salários. Mas o resultado atual ainda é inferior ao registrado em maio de 2007, quando eram necessários 10,4 salários.

“O aumento na cesta de produtos neste levantamento pode ser explicado pelo índice de inflação ser maior que o aumento de salários, que, no atual contexto de crise mundial, com a desvalorização das moedas locais, crescem em dólares a um ritmo mais lento que o preço de novos produtos”, diz o gerente de marketing e business inteligence da consultoria, Henrique de Campos Júnior.

Produtos

Aprenda a investir na bolsa

A cesta básica do estudo é composta por produtos de imagem, como televisor e câmera digital, áudio e vídeo (hometheater com reprodutor de DVD), comunicação (smartphone), TI (notebook) e entretenimento (videogame).

Entre os produtos que mais comprometem o salário do brasileiro, estão a TV e a câmera digital, que exigem 3,5 salários. Em seguida, aparecem o notebook (2,5 salários), o videogame (1,4 salário), home theater DVD (1 salário) e smartphone (0,9 salário).

“A entrada da TV Digital no País e o consequente lançamento de TVs que suportam a nova tecnologia fez os preços destes aparelhos terem uma forte elevação”, avalia Campos.

Os países mais caros

A pesquisa também foi feita em outros países da América Latina, como Argentina, Chile, Colômbia e México, e, em todos, a quantidade de salários necessários aumentou.

A Argentina, apesar de ter sido o país com o menor aumento, é onde os consumidores mais desembolsam: 13,81 salários. Já na Colômbia é mais fácil montar a casa digital, sendo necessários 7,07 salários.