AO VIVO Por Dentro dos Resultados: CEO e CFO da Tupy comentam os números da empresa de metalurgia

Por Dentro dos Resultados: CEO e CFO da Tupy comentam os números da empresa de metalurgia

Para 35% dos brasileiros, qualidade de vida melhorou nos últimos anos

Sensível melhora nos salários de 2003 para cá levou o brasileiro às compras, aumentando seu endividamento

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A vida dos brasileiros melhorou de 2003 para cá, pelo menos para 35% dos 2.828 entrevistados entre os dias 28 e 29 de junho pelo Instituto Datafolha. Se as classes sociais forem analisadas individualmente, a pesquisa revela que esta foi a resposta de 38% das pessoas pertencentes à classe C, de 33% para quem faz parte das classes A e B e de 34% dos consultados entre os mais pobres (casses D e E).

Tanto para estas pessoas quanto para aquelas que declararam que suas vidas pioraram no mesmo período (22%), a mudança de vida se deve aos humores do mercado de trabalho, dos preços e dos salários.

Brasileiros vão às compras

Segundo o Datafolha, 2% dos entrevistados acreditam que seu atual salário é mais do que suficiente para sobreviver, nível que sobe para 25% entre aqueles que consideram apenas satisfatório o atual salário, para 45% entre os que declaram insatisfatória a remuneração, enquanto 28% dos brasileiros acreditam que seus proventos estão muito baixos; 17 pontos percentuais abaixo do nível declarado em dezembro de 2002, quando 45% das pessoas disseram o mesmo.

Aprenda a investir na bolsa

Esta sensível melhora levou os brasileiros às compras. De acordo com o mesmo estudo, 40% das pessoas consultadas admitiram ter feito alguma compra parcelada nos últimos seis meses.

Destaque para roupas, calçados e acessórios – produtos adquiridos por 33% das pessoas -, produtos eletrônicos (23%), móveis (17%), eletrodomésticos (14%), celulares (9%) e material de construção (5%).

Dívidas

O reflexo disto já pode ser percebido com o aumento das dívidas. De acordo com a pesquisa, 22% das pessoas se dizem mais endividadas hoje do que no começo de 2003.

Estas pessoas costumam contrair suas dívidas principalmente por meio de carnê de loja (33% dos casos). Este percentual varia em 39% para a classe C, em 36% para quem faz parte das classes A e B e em 26% aos pertencentes às classes D e E. Cerca de 7% destes consumidores declararam atraso no pagamento desta dívida.

Cartão de crédito e cheque especial

Muitos consumidores (27%) também podem pagar com cartão de crédito. Os brasileiros pertencentes às classes A e B são os que mais possuem esta opção de pagamento, 54%. Entre a classe C, este nível cai para 29% e para 9% entre os brasileiros que representam as casses D e E. Aproximadamente, 4% de quem preferiu pagar com dinheiro de plástico declaram atraso na quitação do débito.

Quanto ao limite no cheque especial, 14% dos brasileiros consultados declararam possuí-lo e 3% deles garantiram atraso no pagamento de suas contas. Mas o endividamento não pára por aí. 13% dos entrevistados afirmam que contraíram algum empréstimo em banco nos últimos seis meses (2% em atraso); outros 7% compraram com cheques pré-datados (2% em atraso); e 4% emprestaram dinheiro em financeira, dos quais 1% não está com o pagamento em dia.

PUBLICIDADE