Órgão público é opção para estagiários; veja vantagens e desvantagens

Em primeiro lugar, universitário precisa entender que terá experiência no currículo, mas que pode não ter plano de carreira

SÃO PAULO – Assim como qualquer tipo de trabalho, o estágio em órgão público apresenta vantagens e desvantagens, que devem ser analisadas por quem pretende atuar como aprendiz em uma Secretaria, uma Prefeitura ou no Judiciário, por exemplo. De acordo com a supervisora do serviço de consultoria virtual da Catho, Gláucia Santos, em primeiro lugar, o universitário precisa entender que terá uma experiência no currículo, o que é um ponto a favor para o estágio no setor público.

“A segunda vantagem é que começa a desenvolver atividades na área em que pretende atuar”, afirmou Gláucia. Na empresa privada, por sua vez, pode ter de passar pelas demais áreas sem ter interesse nelas. Mas o fator também pode ser considerado uma desvantagem, tendo em vista que o conhecimento no setor público é mais restrito: o estagiário aprende apenas aquilo que envolve a área em que pretende trabalhar.

Plano de carreira

Também é preciso considerar, no caso dos estágios em setores públicos, que é difícil ser efetivado. Geralmente, a contratação no setor se dá por concurso público. Existe a possibilidade de ser empregado, por meio de processo seletivo, mas ela é bastante remota e pode não ser característica no setor em que pretende atuar. “Além disso, esse profissional não terá a segurança no emprego que o funcionário público tem”, afirmou Gláucia.

Dificilmente, os contatos de estágio são renovados no órgão público. Por outro lado, boa porcentagem dos estagiários fica nas empresas privadas. “Eu acredito que quem quer trabalhar mesmo no setor público é que deve buscar esse tipo de estágio, para já notar como funciona”.

Procura por vaga

De acordo com Gláucia, o estágio na rede pública é mais restrito também no que diz respeito à quantidade de vagas. Para quem tem interesse, como as pessoas que querem seguir carreira jurídica, o mais indicado é analisar as Prefeituras e as Secretarias. Nos sites, há informações, ou o interessado deve dirigir-se até os prédios. “A divulgação não é tão ampla”.

Neste aspecto, é que o estágio em órgão público se diferencia do setor privado. Entidades como o CIEE (Centro de Integração Empresa Escola – www.ciee.org.br) e a Fundap (Fundação de Desenvolvimento Administrativo – www.fundap.sp.gov.br) divulgam vagas de estágio para estudantes do ensino superior, durante todo o ano, em empresas de todo o país.

Jornada e salário

Uma desvantagem de trabalhar no setor público é o salário. Se analisada a questão do plano de carreira, em algumas empresas, é possível ir crescendo profissionalmente, ganhando mais, mesmo como estagiário. “No setor público, tem a questão do teto salarial. O privado normalmente paga melhor”.

De acordo com a Portaria 313, publicada em setembro do ano passado, a partir deste mês, os estagiários de órgãos públicos passarão a ganhar R$ 290, se de nível médio, e R$ 520, se de nível superior.

A mesma portaria previa jornada de trabalho de 20 horas, medida que foi modificada com a Portaria MPOG nº 467, publicada em 4 de janeiro. O estudante terá a opção de escolher se a jornada será de 20 horas semanais ou 30 horas, sendo que, no primeiro caso, haverá uma redução de 30% no valor da bolsa.

PUBLICIDADE

“A mudança de 20 horas para 30 horas pode ser positiva, de acordo com a quantidade de atividades que o estagiário precisa fazer num período curto de tempo. Mas ele tem que atentar à necessidade de conciliar casa e trabalho”, disse Gláucia.