Operação de aeronautas e aeroviários pode atrasar e cancelar voos

Operação foi deflagrada nos aeroportos por profissionais que reivindicam melhores salários e condições de trabalho

SÃO PAULO – Passageiros aéreos começarão a sentir os efeitos de uma operação de não colaboração promovida pelos aeroviários e os aeronautas a partir de sexta-feira (3).

A operação foi deflagrada nesta quinta (2), nos aeroportos brasileiros, pelo SNA (Sindicato Nacional dos Aeroviários). A categoria pede aumento de 30% nos pisos salariais e de 15% para as demais faixas.

De acordo com a presidente do SNA, Selma Balbino, a mudança na rotina de trabalho destes profissionais deverá causar atrasos de até duas horas em voos com conexões, além de cancelamentos.

PUBLICIDADE

Reivindicações
Em reunião com o Snea (Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias), os profissionais colocaram suas reivindicações, mas não avançaram.

“Durante a operação, eles não vão colaborar com nada e farão exatamente o que manda o manual, além de não aceitar mudanças repentinas de escala, o que vem acontecendo constantemente”, afirmou Selma, segundo a Agência Brasil.

Ela explicou que existe um deficit de cerca de 2 mil trabalhadores apenas entre os aeronautas, categoria que inclui comissários, comandantes e pilotos.

Os aeroviários são os funcionários que atuam em terra, como mecânicos de manutenção, despachantes técnicos, agentes de check-in, entre outros.

Ainda de acordo com Selma, os profissionais sobrecarregados representam um risco para a segurança dos voos. “Isso é perigoso, porque eles não podem errar, afinal um erro pode comprometer a vida de centenas de pessoas”, alertou.

O outro lado
O diretor administrativo do Snea, Arturo Spadale, disse que a operação é prematura, pois as negociações ainda estão em curso. Uma nova reunião sobre o assunto está marcada para o próximo dia 8.

“A nossa proposta é de reposição imediata pelo INPC [Índice Nacional de Preços ao Consumidor] para não prejudicar os funcionários. Além disso, achamos mais conveniente mudar a data-base de dezembro para abril, quando poderíamos discutir as outras reivindicações sem prejuízo para os passageiros, que viajam mais nesta época do ano”, destacou.