Conteúdo editorial apoiado por
IM Trader

O que a jogadora de vôlei Virna pode ensinar sobre day trade?

Atleta participou do Sociedade do Gain

Equipe InfoMoney

Guilherme Cardoso, da comunidade TraderX, conversou com Virna Dias

Publicidade

Apesar de serem atividades completamente diferentes, o esporte de alto rendimento e as operações de day trade carregam entre si algumas semelhanças. Ex-atleta de vôlei e medalhista olímpica pela seleção brasileira, Virna Dias contou que mais do que vitórias, colecionou derrotas ao longo de sua carreira.

“Perdi mais… E falo que, nas derrotas, é que vêm as grandes lições. Às vezes perder frusta, dói, machuca, mas quando se olha para dentro e se analisa como foram os seus erros, ainda mais quando é um esporte coletivo, que todo o time perde junto, é preciso ter sabedoria para se reinventar”, disse ela a Guilherme Cardoso, fundador da Comunidade TraderX, durante o Sociedade do Gain.

Segundo ela, o esporte pode contribuir com diversos outros aspectos, para a rotina de um trader, especialmente por conta da disciplina e do foco. “Tenho esse diálogo interno comigo. Eu traço metas e, ao final do dia, vejo se eu as cumpri. Sou assim desde pequena, com essa cobrança por performance”, disse.

Oferta Exclusiva para Novos Clientes

Jaqueta XP NFL

Garanta em 3 passos a sua jaqueta e vista a emoção do futebol americano

As falas ilustram uma etapa de sua carreira. Logo que despontou no vôlei, um aspecto técnico a prejudicava: a recepção. “Não adiantava eu ser apenas boa na parte física, precisava ser emocionalmente e tecnicamente. Eu não sabia recepcionar, então fui treinar e praticar”, completou.

O grande incentivador dela foi Bernardinho, que, além de ser reconhecido com técnico de sucesso é um grande motivador, dizia que “não existe medo, existe trabalho”.

Ele a provocada assim: “Quando você nasceu, sabia andar? Você engatinhava, caía, sentava e dava os primeiros passos. O esporte é assim, a vida é assim, o mundo corporativo é assim. Quando você entra no mercado financeiro, você não sabe. Você precisa treinar muito, pois os desafios e as cobranças são muito grandes.”

Virna contou, então, que, para se desenvolver, após o final dos treinos ficava no ginásio, com uma tabela de basquete. Bernardinho sacava e Virna tinha que recepcionar a bola dentro da cesta. A meta: acertar dez bolas. Quando a meta foi atingida? Após quatro meses de tentativa.

Reserva, na época de Ana Moser, Virna teve que substituir a líder da seleção feminina de vôlei em um torneio mundial, após uma lesão da titular. E, ao final do campeonato, que aconteceu em 1995, ela foi eleita a melhor recepcionista.

Persistência

Virna ensinou ainda que o segredo para ser um campeão é ser humilde e nunca se sabotar, deixa as coisas para o dia seguinte: “Tem que começar hoje”.

Relembrando antiga “rixa” com as cubanas, nos anos 90, a atleta disse que, “de tanto perder”, buscaram aprender a “ganhar delas”.

“A parte física delas era muito eficiente. Faziam levantamento olímpico, crossfit. Isso fez a gente mudar completamente a nossa preparação. Começamos a malhar, treinar resistência maior e, aí, começaram a vir os resultados.”

Por fim, ela traçou os paralelos entre os esporte de alto rendimento e o day trade:

“A gente se prepara para ao jogo e podemos perder ou ganhar. Às vezes, a gente não tem tempo para lamentar a derrota, tem que virar a chave, pois amanhã o adversário vem e te engole novamente.”

“Os grande fazem a diferença quando treinam e praticam… Mas sejam humildes, tenham determinação e confiança”, disse, acrescentando:

“Cuidem da mente. Hoje, as pessoas mais serenas e equilibradas fazem a diferença.”