AO VIVO Radar InfoMoney: Como discursos de Bolsonaro e Trump na Assembleia Geral da ONU impactaram as bolsas? Assista ao programa desta terça

Radar InfoMoney: Como discursos de Bolsonaro e Trump na Assembleia Geral da ONU impactaram as bolsas? Assista ao programa desta terça

Número de pobres no Brasil caiu em 18,1 milhões devido aos benefícios do INSS

Cerca de 34% da população está abaixo da linha da pobreza, percentual seria de 45,3% não fossem os benefícios do INSS

SÃO PAULO – Que a distribuição de renda no Brasil ainda é bastante desigual, não há como negar, mas existem alguns sinais de que algo pode estar melhorando, pelo menos é isto que sugere um estudo recente elaborado pela Secretaria de Previdência Social. O estudo foi apresentado em um workshop promovido pelo BID em parceria com a FIPE, que discutia o impacto econômico e político dos programas de combate à pobreza e distribuição de renda.

Estudo aponta redução no número de pobres

De acordo com os dados do estudo, não fosse pelos benefícios pagos pela Previdência Social, o número de brasileiros vivendo abaixo da linha de pobreza, isto é, que ganham menos de R$ 98 por mês, seria muito maior. Mais precisamente o Ministério estima que existiriam mais 18,1 milhões de brasileiros nesta situação. Isto significa que o percentual de brasileiros abaixo da linha da pobreza aumentaria dos atuais 34% para 45,3%.

Os dados do Censo 2000 apontam para um total de 9,3 milhões de famílias que vivem com menos de meio salário mínimo, isto é, com menos de R$ 100, este número representa uma redução de 67% em relação ao Censo anterior, o que só foi possível graças ao aumento dos benefícios pagos pela Previdência. Entre 1993 e 2001, os gastos da Previdência aumentaram em 41,2%, subindo de 14,2 milhões para 20 milhões. O IBGE estima que para cada segurado da Previdência existam outras 2,5 outras pessoas que também se beneficiam indiretamente.

Função da Previdência na distribuição de renda

PUBLICIDADE

Outro dado divulgado constata um aumento de 30%, entre 1992 e 1999, na renda per capita dos domicílios que contam com segurados da Previdência, enquanto nos domicílios que não contam com segurados da Previdência o aumento da renda per capita foi menor, de 23%. Além disto, a renda média dos domicílios que contam com segurados da Previdência é 32,5% maior do que a renda média nacional, e 54% maior do que a renda média dos domicílios que não contam com segurados da Previdência.

Os dados animam, porque mostram que é possível, em um espaço relativamente curto de tempo, mudar a situação da pobreza no país. Entretanto, para que a Previdência Social continue contribuindo para a distribuição de renda é necessária uma reforma significativa, que garanta a transferência de recursos, principalmente os gastos na concessão de benefícios exagerados ao funcionalismo público, para a parcela da população mais carente.