Número de empregos criados em dezembro recuou 30,10%, aponta Manager

A consultoria contabilizou 1.433 novas vagas abertas no último mês do ano, contra 2.050 verificadas em novembro

SÃO PAULO – A quantidade de novos empregos criados no mês de dezembro foi 30,10% menor do que o verificada no décimo primeiro mês de 2006, revela a Manager Assessoria em Recursos Humanos, em pesquisa divulgada nesta terça-feira (09).

A empresa contabilizou 1.433 novas vagas no último mês do ano, contra 2.050 verificadas em novembro. No total, 86,11% das vagas disponibilizadas no mês exigiam o domínio da língua inglesa. O espanhol foi solicitado em 11,17% dos casos e apenas 2,72% das empresas não solicitavam um segundo idioma.

Área Comercial contratou mais

PUBLICIDADE

As áreas Industrial (24,01%) e Comercial (18,77%) obtiveram o maior número de contratações em dezembro, respondendo por mais de 40% das novas vagas do mês. Na seqüência, vieram as áreas Financeira (17,45%) e de Tecnologia da Informação (12,62%).

Nas demais posições ficaram as áreas: Administrativa (10,05%), de Compras, Logística e Suprimentos e Recursos Humanos (7,68%), e a Jurídica (1,74%).

Engenheiros continuam liderando

Os profissionais de engenharia continuaram encontrando o maior número de novas vagas (31,79%). Já os formados em administração ficaram em segundo lugar, com 22,12% das ocupações.

Por outro lado, os profissionais de Publicidade, Propaganda e Marketing (3,27%), Psicologia (2,69%), Direito (2,12%), Comércio Exterior (1,74%) e Comunicação (0,96%) ficaram com as últimas colocações.

Por fim, de todas as vagas criadas em dezembro, 24,42% foram em postos de alta gerência/diretoria. A gerência ficou com 45,78% dos novos postos de trabalho e os técnicos, supervisores e assistentes, com 29,80%.

Análise anual

De acordo com a Manager, a indústria fechou o ano devagar, devido ao fraco desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) – soma de todas as riquezas do País – que influenciou no investimento das empresas na criação de novas vagas.

Apesar disso, alguns setores bateram recordes no ano, como a indústria automobilística, que cresceu 12,4%. Segundo o presidente da Manager, Hélio Terra, o ano de 2007 é de grandes expectativas. “O governo promete investir em políticas de aceleração de crescimento e reduzir os juros, o que provoca bastante otimismo nas empresas para investirem e contratarem mais.”