Não é fácil liderar em meio a uma crise! Veja dicas de especialista

Papel do líder torna-se crítico diante de crises como esta, porque é ele quem deve conduzir a equipe

SÃO PAULO – Um momento de crise e incerteza, como o que o mundo está vivendo, é marcado por inseguranças entre profissionais. Muitas delas surgem em decorrência do quadro difícil que o mercado está vivenciando, porém algumas interrogações não passam de inseguranças que o profissional já tinha, seja em relação à sua performance, à sua carreira ou à empresa na qual trabalha.

Segundo a executiva Elaine Saad, country manager da Right Management para América Latina, o líder torna-se fundamental diante de crises como esta, porque é ele quem deve conduzir a equipe de maneira tranquila.

Teste para o líder

Além disso, embora a liderança, em um momento de crise, seja bastante complexa, esse cenário também pode se apresentar como uma oportunidade para que o líder seja testado em uma das competências que mais exige habilidade, que é a capacidade de administrar a motivação dos seus liderados.

PUBLICIDADE

“Os líderes devem entender que têm a responsabilidade de lembrar a equipe que todo período de crise passa e, ao passar, é preciso sobreviver, continuar trabalhando, executando suas atividades para atingir metas, dando resultado e valor para as pessoas e para os clientes”, observa Elaine.

A especialista em liderança ainda dá outras dicas de como os líderes devem agir nesses momentos:

  1. Demonstre firmeza e segurança naquilo que fala, nas suas ações e nas opções de caminho que a sua equipe possui;
  2. Não trate todas as pessoas da mesma maneira. As pessoas vivenciam a crise de maneiras diferentes e é preciso entender a reação e as necessidades de cada um, dando suporte individualizado. Tratando uma equipe de forma coletiva, é possível resolver o problema de alguns, mas não de todos;
  3. Tente encontrar os melhores caminhos, especialmente de maneira prática, objetiva e realista, para levar a empresa ou o departamento à sobrevivência nesse momento;
  4. Antecipe as conseqüências de um possível impacto para a sua empresa, mas sem tentar adivinhar. Ter um cenário completamente traçado pode cegar um líder para uma possível mudança de rota. “É muito importante ter um plano para os próximos meses, mas que seja adaptável às mudanças no mercado”, alerta;
  5. Esteja atento ao momento, o que implica a necessidade de fazer correções de rota muito rapidamente. Para tanto, é preciso ter uma equipe disponível e flexível, para que qualquer mudança seja encarada de forma positiva e facilmente implementada. O líder deve verificar se possui pessoas preparadas para fazer essa adequação rápida, lembrando que nem sempre isso significa que é preciso ter na equipe as pessoas com mais conhecimentos. “Nesse momento, algumas competências comportamentais, como motivação, humor e otimismo, podem ser mais importantes que habilidades técnicas e conhecimento, já que essas características acabam contaminando os demais, levando a equipe para um caminho positivo”.
  6. É fundamental que o líder acredite sinceramente naquilo que está fazendo e que transmita esse sentimento para a equipe. A comunicação deve ser muito transparente e, em momentos críticos, com uma periodicidade maior. Fantasias, reações ruins e expectativas negativas devem diminuir bastante se a comunicação for rápida e precisa. Deixar a equipe solta, sem comunicação e sem noção do caminho que a empresa está trilhando pode trazer uma marca profunda e negativa, muitas vezes mais devastadora que a crise por si só.