Não culpe os outros! Veja três situações em que sabotamos a própria carreira

Você pode se esconder atrás de diplomas ou ter a certeza de que é bom demais para sua empresa. Cuidado!

SÃO PAULO – Frequentemente, colocamos a culpa nos outros por nossas frustrações profissionais. É o chefe que é egoísta, o colega que vive a passar a perna nos demais e até mesmo o marido ou a esposa que sempre exige que passemos mais tempo com a família, impedindo diversas reuniões de negócios no exterior.

A verdade, no entanto, é que não adianta culpar ninguém, porque somos nós mesmos que escolhemos por qual caminho seguir. E, não raro, somos também os verdadeiros sabotadores de nossas carreiras, de acordo com a executive coach da Sociedade Brasileira de Coaching, Claudia Watanabe.

Zona de perigo

A coach listou as situações em que as pessoas acabam cumprindo o papel de inimigas delas mesmas. O primeiro caso ocorre quando falta confiança em si próprio. Indivíduos com baixa autoestima não conseguem visualizar o sucesso e costumam ser mais ansiosos, o que prejudica suas atividades e, consequentemente, os resultados obtidos.

PUBLICIDADE

Outra situação diz respeito à negação da realidade, a fim de evitar sofrimento. O sentimento de autopreservação é importante, entretanto, enxergar a realidade é preciso.

Um exemplo: é comum profissionais demitidos criarem desculpas para seu desligamento da empresa. Pode ser a crise econômica, o chefe invejoso ou a simples necessidade da organização de cortar gastos. Muitos dizem que foi melhor assim, pois, de qualquer maneira, não gostavam do emprego, e ignoram o fato de que precisavam dele para pagar as contas. Outros pensam: “o azar é da empresa, que perdeu um grande profissional”.

O problema é que, geralmente, as pessoas são dispensadas porque não apresentaram um desempenho satisfatório e, mesmo após alguns meses, não melhoraram. Pode ser a crise? Com certeza. Mas, antes de culpá-la, que tal rever os erros cometidos e tentar melhorar, para que, ao conseguir uma nova colocação, sobreviva a esta e às outras crises econômicas que provavelmente virão? Lembre-se de que, se algumas pessoas foram dispensadas, outras tantas permaneceram na organização.

“Muitas vezes, as pessoas são desligadas e não têm a menor noção do verdadeiro motivo. Por isso, desconhecem os pontos que precisam melhorar”, explica Claudia. O sentimento de autopreservação pode reduzir a capacidade de autoanálise, o que impede o profissional em questão de evoluir e ter uma carreira de sucesso.

Excesso de confiança

Não é só a baixa autoestima que impede as pessoas de terem uma carreira de sucesso. O excesso de confiança também pode ser fatal. Quem acredita em si próprio de forma exagerada tende a não enxergar seus erros e a não ouvir os outros, demonstrando dificuldade em receber críticas.

“Esse tipo de profissional toma atitudes repetidamente erradas. No entanto, no fim das contas, o resultado acaba sendo incompatível com o que ele próprio espera, bem como com o que a empresa espera. Acontece muito, principalmente no caso daqueles que se tornaram líderes ainda muito jovens ou dos que possuem muitos títulos no currículo. Eles se escondem atrás dos diplomas”, finaliza a coach.