Mulheres: menor renda e menos oportunidades de trabalho

Pesquisa revela que mulheres brancas ganham R$ 403 e negras R$ 302. Enquanto isso, brancos recebem R$ 605 e negros R$ 383

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Segundo pesquisa realizada pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), divulgada nesta sexta-feira (17), as mulheres brasileiras têm menos facilidade de colocação no mercado de trabalho, e quando conseguem, têm renda mediana inferior à dos homens.

Isso porque, no ano de 2005, o nível de ocupação entre os brasileiros era de 66,7% para brancos e 64,8% entre os negros, percentuais muito maiores do que os analisados entre as mulheres, de 43,9% para brancas e 40,1% para negras.

Renda

Além de menor colocação no mercado de trabalho, quando conseguem emprego, o salário delas ainda é mais baixo. Entre as negras, a mediana de rendimentos (valor máximo pago à metade da população que está no mercado de trabalho) era de R$ 302, enquanto entre as brancas era de R$ 403. Já os homens brancos ganhavam R$ 605, e os negros, R$ 383, em 2005.

Aprenda a investir na bolsa

A pesquisa ainda compara os salários pagos no Brasil entre os anos de 1992 e 2005. Apesar de terem rendimentos menores, os negros apresentaram aumento mais significativo, de 18,4% entre as mulheres e de 25% entre homens. Já os brancos tiveram acréscimo de 7,8% nos salários e as brancas, de 12,9%.

Brancas ganham mais que negras

Os dados mostram que as brasileiras brancas ganham 25% a mais que as negras. No entanto, segundo a ministra Matilde Ribeiro (Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Social), as negras tendem a estudar mais.

“As mulheres negras, ao longo das décadas, vêm conquistando uma ampliação da quantidade de anos de estudo, mas não estão recebendo maiores salários e se colocando em condições melhores no mercado”, disse Matilde.

Discriminação racial

De acordo com a representante da OIT, Solange Sanches, a discriminação racial pode ser explicação para as diferenças de acesso ao mercado de trabalho e de rendimentos entre brancos e negros. “A escolaridade para a população negra não tem o mesmo valor no mercado de trabalho do que para a população branca. A remuneração não se iguala com a de brancos quando há qualificação de negros”.

Já a diretora do escritório da OIT no Brasil, Laís Abramo, disse que a desigualdade racial tem raízes históricas. “Infelizmente, as desigualdades são reproduzidas cotidianamente através de processos e mecanismos de discriminação que ainda estão presentes no mercado de trabalho e no conjunto da sociedade brasileira”.