Mulheres dobram presença em cargos de liderança nos últimos dez anos

Pesquisa mostra ainda que empresas pequenas e médias ainda são as que mais contratam para cargos executivos

SÃO PAULO – A última década foi marcante para as mulheres no mercado de trabalho: elas dobraram sua participação em cargos de presidência, diretoria e gerência de empresas e já ocupam quase metade dos postos de coordenação. Mesmo assim, ainda existe um preconceito maior das grandes empresas em contratá-las.

Uma pesquisa do Grupo Catho mostra que a presença de mulheres na presidência de companhias passou de 8,1% em 1995 para 17,53% neste ano. No cargo de diretoria o percentual subiu de 13,2% para 22,94%, enquanto nas funções de gerência, cresceu de 12,42% para 26,02%.

Já nas posições de coordenação ou encarregado, o sexo feminino detém 48,97% e 49,1% das vagas, respectivamente – resultado dez anos antes estimado em 30,35% e 27,4%.

Preconceito?

Apesar do progresso no mercado, a pesquisa mostra que as mulheres ainda sofrem discriminação pelas grandes empresas. O aumento da participação feminina é muito mais intenso nas companhias de pequeno porte.

As mulheres representam 22,2% dos cargos de presidentes de empresas com até 50 funcionários, mas são apenas 8,92% das líderes quando a estrutura abriga mais de 1.500 empregados.

O mesmo se aplica para todos os cargos: quanto mais subordinados, menos mulheres no comando. A relação dos cargos de diretoria ocupados por mulheres reduz de 28,68% para 14,46% quando se trata de pequenas e grandes empresas. Em funções como a de coordenadora, elas são 41,14% nas grandes companhias, número que salta para 58,8% nas de menor porte.

O motivo da opção por funcionários homens não é claro, segundo o coordenador da pesquisa, Thomas Case. O fato é que, em pesquisas anteriores da própria Catho, já ficou constatado que o salário das mulheres é 10,88% menor que o dos homens, em média.