Mudanças na equipe: como lidar com as diversas reações?

Existem os profissionais que estarão empolgados para ajudar; não dispense os resistentes e tenha calma com os ansiosos

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Por causa da concorrência, tanto as grandes quanto as pequenas empresas estão se obrigando a mudar e reinventar, em busca de inovação. Toda mudança, por sua vez, gera reações diferentes nos profissionais. E como lidar com o comportamento de cada um deles?

De acordo com a consultora de desenvolvimento organizacional da Caliper, Alessandra dos Santos Moura, qualquer líder ou gestor deve ter “jogo de cintura” para lidar com a situação de mudança de processos.

Isso porque são eles que deverão explicar o novo desafio e ajudar os membros da equipe a derrubá-lo. “Conheça primeiro o processo e depois avalie o benefício. O estilo de cada pessoa é o que faz a diferença no momento da mudança”, afirmou.

Mais resistente…e mais empolgado

Aprenda a investir na bolsa

Ter pessoas que apóiem é fator-chave para que a mudança dê certo. As “mais empolgadas” costumam mostrar interesse e ficam dispostas a ajudar os demais companheiros da equipe. Elas devem ser aproveitadas.

“Chame-as para participar de comitês para projetos, porque elas estimulam e podem ser boas líderes de pequenos grupos”.

Por outro lado, existem os questionadores. Eles são mais resistentes, mas devem sempre ser ouvidos. Isso porque podem mostrar um ponto de vista ainda não abordado ou colocar em jogo questões não analisadas. O mais importante é fazer das críticas desse profissional, que serão constantes, algo construtivo. “Eles enriquecem o processo”.

Ansiedade à flor da pele

Outra reação bastante comum será a ansiedade por parte de alguns membros do grupo, resultado de um certo medo de mudanças. Com essas pessoas, o líder precisa ser um pouco mais calmo, para passar mais segurança.

“Existem algumas pessoas que precisam de um tempo maior para confiarem no projeto e quem está no comando deve perceber que elas precisam de mais apoio”, afirmou a consultora.