AO VIVO Primo Rico propõe desafio de 21 dias com lições sobre dinheiro e investimentos; assista à live desta sexta

Primo Rico propõe desafio de 21 dias com lições sobre dinheiro e investimentos; assista à live desta sexta

MPEs paulistas criaram 72 mil postos de trabalho em agosto, diz Sebrae-SP

Na comparação com o mês de anterior, a variação é de 1,2%; ao todo, são 5,9 milhões de trabalhadores no Estado

SÃO PAULO – As micro e pequenas empresas paulistas abriram 72 mil novos postos de trabalho em agosto, aumentando sua mão-de-obra em 1,2% na comparação com o mês de julho. O resultado é o melhor dos últimos 47 meses. No total, são 5,9 milhões de trabalhadores atuando em pequenas empresas.

A expansão do contingente de trabalhadores no setor é ainda mais intensa quando comparada com o mesmo período de 2004. São 297 mil vagas a mais, uma alta de 5,3%.

As informações fazem parte de pesquisa mensal realizada pelo Sebrae-SP (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) junto a 2,7 mil micro e pequenas empresas localizadas no Estado de São Paulo que conta com a colaboração da Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade).

PUBLICIDADE

Mesmo que os números de agosto, em relação ao mês de julho, possam ter sido influenciados pelo Dia dos Pais, os resultados apresentados revelam que o desempenho das MPEs em 2005 está superior ao dos anos anteriores e pode ser condiderado uma tendência para os próximos meses.

Faturamento também cresceu

Outro índice a apresentar variação positiva diz respeito ao faturamento real das MPEs, que subiu 6,6% em agosto frente ao mês anterior. Já na comparação dos últimos 12 meses (contando a partir de agosto/04) a variação é de 5,4%.

Para o coordenador da pesquisa, Marco Aurélio Bedê, o número de dias úteis também pode ter influenciado positivamente os resultados, já que o mês de agosto de 2005 teve dois dias a mais que julho e um a mais que agosto do ano passado.

Bedê também aponta outros fatores que colaboraram positivamente para o bom desempenho do setor como: o aumento real de 8,5% do salário mínimo; o controle da inflação, mantida na casa dos 5%; a ampliação das opções de crédito e a manutenção das exportações.

Comércio e serviço acompanham expansão do setor

A expansão das receitas do setor beneficiou principalmente os setores de comércio e serviços. No acumulado dos últimos 12 meses (agosto/05 a agosto/04) a alta observada foi de 7%.

Já o faturamento da indústria fugiu à regra dos outros segmentos, apresentando estabilidade em sua receita real por conta do impacto das altas taxas de juros. Entretanto, o desempenho das pequenas indústrias em agosto foi 9,3% melhor que o mês anterior. Na seqüência, comércio (6,7%) e o setor de serviços (4,4%) também aumentaram suas receitas no último ano.

De acordo com o superintendente do Sebrae-SP, José Luiz Ricca, a melhora do salário médio dos trabalhadores poderá refletir positivamente no faturamento das empresas de pequeno porte, que são dependentes do mercado interno.