MPEs criam mais da metade dos empregos formais no Brasil, aponta Sebrae

Do total de vagas, 64,9% estão localizadas no interior do País, sendo que mais da metade está no interior do Sudeste

SÃO PAULO – As MPEs (Micro e Pequenas Empresas) são responsáveis por empregar 52,3% dos 24,9 milhões de trabalhadores com carteira assinada no Brasil, segundo um levantamento realizado pelo Sebrae em parceria com o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

O estudo divulgado nesta terça-feira (31) aponta que, do total de postos de trabalho nas MPEs, 64,9% ou 8,5 milhões estão localizados no interior do País, sendo que mais da metade (4,5 milhões) está no interior da Região Sudeste.

Já o interior da região Sul registra 2,2 milhões de empregos. No Nordeste são 967,7 mil, no Centro-Oeste, 449,3 mil, ficando o Norte em último, com 246,5 mil empregos no interior.

Entre 2000 e 2008, o número de MPEs passou de 4,1 milhões para 5,7 milhões, o que representa um crescimento de 40%. Neste período, esses negócios também ampliaram o número de empregados com carteira assinada, de 8,6 milhões para 13,1 milhões.

Perfil dos trabalhadores
Na análise do perfil dos trabalhadores, os dados indicam que os homens ainda são maioria nas empresas de menor porte. Em 2008, eles eram 3,7 milhões na microempresa e 4,5 milhões na pequena empresa.

Entretanto, de 2000 a 2008, esses negócios ampliaram a contratação de mulheres, de 1,5 milhão para mais de 2,3 milhões nas microempresas e de 1,3 milhão para 2,3 milhões nas pequenas empresas.

O aumento da contratação de mão de obra feminina é registrado principalmente nos setores do comércio e de serviços, seguido pela indústria.

O Distrito Federal e as regiões metropolitanas de Salvador (BA), Belo Horizonte (MG) e Porto Alegre (RS) são as que mais empregam mulheres. Já as regiões metropolitanas de São Paulo e Recife têm a menor participação feminina no mercado de trabalho das MPEs.

Escolaridade mais elevada
Sobre o grau de escolaridade dos empregados contratos, os dados apontam que as MPEs passaram a contratar trabalhadores com escolaridade mais elevada.

PUBLICIDADE

Entre 2000 e 2008, a parcela de profissionais com Ensino Médio subiu de 21,4% para 41,7%. Já as contratações de empregados com Ensino Superior apresentaram expansão menos intensa, passando de 3,4% para 4,7%.