Migração da carreira pública para privada: saiba quando isso deve acontecer

Segundo especialista, a mudança é mais comum entre os profissionais da Geração Y, que são considerados mais arrojados

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – No mercado de trabalho, é comum que profissionais que atuam na área privada passem a trabalhar no setor público. O interesse por trabalhar no setor público é estimulado principalmente por estabilidade na carreira e salários atrativos. Mas o caminho inverso também é possível, deixar de funcionário público para ser funcionário de uma empresa privada.

O headhunter e professor do curso de Gestão de RH (Recursos Humanos) e MBA da Veris IBTA, Cristiano Rosa, explica que a troca de setores ocorre principalmente entre os mais jovens, os profissionais da Geração Y.

“Hoje, os jovens estão mais arrojados, querem ganhar mais e ter ascensão profissional mais rápida. Quem quer chegar a um cargo de CEO ou de diretor tem de partir para o setor privado”, diz.

Aprenda a investir na bolsa

Mas isso não quer dizer que quem trabalha no setor público ficará eternamente exercendo a mesma função e sem grandes desafios, já que existem alguns segmentos que elaboram planos de carreira bem interessantes. Como exemplo, Rosa aponta os cargos da Receita Federal.

Além disso, ele acrescenta ainda que outra vantagem é ter conhecimento que ainda não é possível ter em empresas privadas. “A Receita tem uma tecnologia super moderna para cruzar os dados dos contribuintes. Conhecer esta tecnologia é uma vantagem frente aos outros profissionais”.

Idade
Mas não basta apenas ter vontade para mudar de setor. O especialista explica que a absorção dos funcionários públicos pelas empresas privadas ocorre quando o profissional ainda é jovem. “Quem quer mudar tem de tomar a decisão o quanto antes”.

Para os profissionais mais experientes existem outros caminhos. A primeira opção é abrir o próprio negócio, já que o conhecimento do funcionamento da máquina pública pode ser um aprendizado e tanto dentro de um negócio privado. O segundo é atuar na área acadêmica.

Nas duas alternativas, é possível conciliar a carreira pública. “O trabalho público tem as suas vantagens. Engana-se quem pensa que a pessoa passa em concurso público joga a toalha e não trabalha mais. A decisão tem de ser atrelada à vocação”, finaliza.