Metade dos brasileiros não tem medo da possibilidade de perder o emprego

Temor da perda de emprego é mais intenso entre as pessoas com renda familiar mensal de até dois salários mínimos

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Pesquisa do Datafolha perguntou aos brasileiros o que eles sentem quanto à possibilidade de ficar sem emprego. Metade deles respondeu que “é uma coisa que não dá medo”. Porém, outros 26% disseram que ficar sem trabalho é “uma das coisas que mais dá medo”, e, para 20%, é o que de fato “tira o sono”.

O temor da perda de emprego é mais intenso entre as pessoas com renda familiar mensal de até dois salários mínimos. Na contramão, os que menos se sentem assustados com relação à chance de perder o emprego são aqueles que possuem renda familiar mensal de mais de dez salários mínimos.

O responsável pelo desemprego

Para a maioria das pessoas (20%), a crise mundial é a principal responsável pelo aumento do desemprego. Para outros 17%, a culpa é do Lula e do governo federal. Depois aparecem: o governo no geral (10%), os empresários (8%), os políticos (7%), a falta de qualificação da população (4%), a própria população (3%), entre outras respostas.

Aprenda a investir na bolsa

O entendimento que o problema é de fato a crise mundial da economia é mais comum entre aqueles cuja renda familiar mensal está entre cinco e dez salários mínimos (29%), e entre os que possuem renda familiar superior a 10 salários mínimos (26%). Entre as pessoas com renda familiar de até dois salários mínimos, esse percentual cai para 16%.

Para a pergunta “Você ou alguém da sua casa perdeu o emprego nos últimos seis meses?”, 7% dos participantes da pesquisa responderam que eles próprios haviam passado por essa situação. Outros 18% disseram que esse era o caso de uma pessoa da sua casa. Por outro lado, 74% garantiram que ninguém da sua casa havia perdido o trabalho.

Sobre a pesquisa

O Datafolha ouviu 11.204 brasileiros, a partir dos 16 anos de idade, entre os dias 16 e 19 de março de 2009. A margem de erro máxima, no que se refere ao total de entrevistados, é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.