Mercado de trabalho aquecido eleva aportes de previdência empresarial

Crescimento dos planos de previdência empresariais foi de 42% em três anos. Até abril deste ano, os aportes somaram R$ 1,8 bi

SÃO PAULO – O crescimento econômico e a expansão do mercado de trabalho estão levando as empresas a contratarem mais planos de previdência para os seus funcionários. Com o mercado de trabalho cada vez mais competitivo, as instituições alteram a política de retenção de profissionais e oferecem mais que bons salários.

“Com o crescimento econômico, as empresas estão mais motivadas a implementar projetos que já estavam sendo planejados”, acredita o executivo da Fenaprevi (Federação Nacional de Previdência Privada e Vida), Renato Russo.

Dados da federação mostram um aumento de 42% nos planos de previdência empresarial. Desde 2007, os aportes têm crescido, mesmo durante o ano da crise financeira. Naquele ano, eles somaram R$ 3,8 bilhões e passaram para R$ 4,5 bilhões no ano seguinte, um crescimento de 18,78%. Já em 2009, o número cresceu 1,71%, e somou R$ 4,6 bilhões. No ano passado, os aportes chegaram a R$ 5,4 bilhões.

PUBLICIDADE

Até abril deste ano, os aportes dos planos empresariais registraram R$ 1,8 bilhão, um aumento de 1,35% na comparação com o mesmo período de 2010. Somente em abril, os planos empresariais arrecadaram R$ 446,6 milhões, alta de 3,83% frente ao mesmo mês do ano passado.

Mudanças
Para Russo, grande parte das empresas coloca os planos empresariais na cesta de benefícios dos seus executivos. “Hoje, está muito mais popularizado. É um benefício relevante para os profissionais”, afirma.

Na avaliação do executivo, a própria rotatividade do mercado faz com que as empresas passem a oferecer o benefício aos profissionais mais qualificados.

Planos
De acordo com Russo, grande parte dos planos empresariais é do tipo PGBL. A preferência está na tributação. Esse plano é voltado para quem utiliza o modelo completo da declaração de Imposto de Renda.

A vantagem para a empresa é a dedução na base de tributação. Para o profissional é que, de maneira geral, a empresa arca com metade do valor da contribuição.

O executivo explica que os planos de previdência privada, de maneira geral, trabalham com o objetivo de remunerar os beneficiários com até 70% do valor do salário após a aposentadoria.