Medidas de países do G20 em resposta à crise salvaram 21 milhões de empregos

Estímulos fiscais podem ter criado ou salvo 8 milhões de empregos em 2009 e 6,7 milhões neste ano, segundo OIT

SÃO PAULO – As medidas tomadas pelos países do G20 em resposta à crise econômica mundial salvaram e criaram quase 21 milhões de empregos em 2009 e neste ano, correspondente a 1% dos postos mundiais, revelou estudo da OIT (Organização Internacional do Trabalho).

As medidas de estímulo fiscal podem ter criado ou garantido 8 milhões de empregos em 2009 e 6,7 milhões em 2010, a exemplo da redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) no Brasil para automóveis, móveis, materiais de construção e eletrodomésticos da linha branca.

Já os estabilizadores automáticos, como subsídios de desemprego ou impostos, podem ter salvo ou criado 6,2 milhões de empregos nos países do G20 no ano passado.

PUBLICIDADE

Recuperação
O estudo da OIT assinala, porém, que a desaceleração do mercado de trabalho, que se acumulou desde 2008, manteve-se elevada no primeiro trimestre de 2010, embora a economia tenha começado a se recuperar.

“Olhando adiante, precisamos de um quadro de trabalho orientado para um crescimento que seja forte, sustentável e equilibrado”, afirmou o diretor-geral da OIT, Juan Somavia.

Em 15 dos países do G20 para os quais existem dados, foram perdidos mais de 6 milhões de empregos na indústria de transformação, 2,8 milhões na construção e 2,3 milhões no comércio nos dois anos anteriores ao terceiro trimestre de 2009. Durante o mesmo período, houve aumento do desemprego nos serviços públicos, educação, administração pública e da saúde.

A perda de postos de trabalho tem sido mais pronunciada ente os homens do que entre as mulheres na maioria dos países e, nos dois anos anteriores à segunda metade de 2009, a taxa de desemprego dos jovens aumentou em 12 dos 14 países do G20 para os quais se tem dados.

O relatório mostra que os países continuam a se adaptar e introduzir medidas para superar a crise, enquanto tentam equilibrar a pressão para reduzir o déficit orçamentário com a necessidade de não revogar os estímulos fiscais muito rapidamente.