MEC concede mais bolsas para estudo internacional; veja como funciona

Concessão de bolsas de doutorado sanduíche são duplicadas; adicionalmente, burocracia para seleção é reduzida

SÃO PAULO – A intenção, anunciada já há algum tempo pela presidente Dilma Rousseff, no sentido de mandar mais brasileiros para estudar no exterior parece estar se confirmando. Nesse sentido, o MEC (Ministério da Educação) publicou, no mês passado, novas regras para concessão de bolsas de doutorado sanduíche, que poderão levar até 7,6 mil interessados para o exterior até 2014.

As principais mudanças, contidas no programa, têm o objetivo de reduzir a burocracia do processo, além de permitir que mais escolas possam solicitar as cotas para seus estudantes.

Novidades
De três em três anos a Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) avalia as escolas de todo o País e atribui uma nota que vai de 1 a 7. Antes, somente aquelas que receberam notas superiores a 4 poderiam solicitar as bolsas, agora, porém, poderão solicitar o recurso as escolas que receberam notas a partir de 3.

PUBLICIDADE

Com isso, aumenta o número de pedidos de cotas. Cada cota permite que um estudante estude no exterior por um período de 12 meses. Se a escola preferir, ela pode mandar ao exterior três estudantes, que irão permanecer fora por quatro meses cada, perfazendo o total de 12 meses.

As novas regras também passam a oferecer 2 cotas por instituição, permitindo que todos os cursos possam levar estudantes ao exterior por um total de 24 meses.

A modalidade conhecida como doutorado sanduíche, ou estágio de doutorando, permite que o interessado curse parte da especialização em instituição estrangeira, mas exige que ele retorne e termine os estudos no Brasil. Com as novas regras do MEC, a perspectiva do governo é que o número de bolsas aumentem cerca de 3 vezes até 2014.

Menos burocracia
Para facilitar o processo, uma das medidas anunciadas excluiu a exigência anterior de um teste de proficiência na língua em que será realizado o doutorado. Agora, apenas uma manifestação positiva do orientador do doutorando a esse respeito será suficiente.

O processo seletivo agora também passou a ser de exclusividade da instituição. Isso quer dizer que, na prática, a Capes não fará mais análise documental. A Capes vai receber a validação da instituição, em relação aos selecionados e emitir a bolsa.

Como participar
Os interessados, que desejarem concorrer a uma bolsa sanduíche, primeiro precisam estar matriculados em cursos de doutorado habilitados a receber as cotas. Ainda, devem reunir a documentação necessária para a seleção prévia que vai ocorrer na própria instituição de ensino.

PUBLICIDADE

Com os documentos em mãos, a coordenadoria do programa de pós-graduação da escola deverá compor uma comissão com o objetivo de analisar as propostas dos candidatos e selecionar os melhores.

Os candidatos aptos devem, paralelamente, realizar sua inscrição online no site da Capes. A Pró-reitoria homologa e envia a relação dos selecionados para a Capes, que, por sua vez, se responsabiliza por emitir a carta de concessão. O aluno aprovado, por fim, envia a documentação online para a implementação da bolsa.

Perceba então que é a própria coordenação da faculdade que faz a seleção dos alunos e não a Capes. O órgão apenas disponibiliza as bolsas.