MBA: saiba o melhor momento para fazer e como se preparar para o curso!

"O MBA é uma grande maratona. Para chegar até ela, é preciso percorrer pequenas corridas", diz diretor da Veris Faculdades

SÃO PAULO – Um curso de MBA (Master Business Administration) feito no momento errado da carreira pode trazer consequências negativas aos profissionais. Ao contrário do que muitos imaginam, é preciso se preparar para a realização de uma especialização como esta.

O diretor acadêmico da Veris Faculdades, Francisco Borges, ilustrou da seguinte forma: “O MBA é uma grande maratona. Para chegar até ela, é preciso percorrer pequenas corridas”. Por isso, antes de cursar um MBA, faça cursos livres que estejam relacionados com a área. Afinal, “se você quer correr a São Silvestre, não adianta treinar natação”, conforme ele explicou.

Além de fazer cursos livres, Borges indicou ao profissional que faça cursos de idioma. “A literatura mais atualizada normalmente está em outra língua, como o inglês e o francês”, justificou. “Aprender uma língua ainda é importante para exercitar o cérebro. Isso estimula a pessoa a enfrentar novos desafios, como fazer um curso mais denso”.

O momento certo

PUBLICIDADE

Tudo isso deve ser feito até que se chegue o momento certo de cursar o MBA. Mas que momento é este? “A gente aconselha que o profissional tenha, além da graduação, experiência no mercado de trabalho”.

Ao contrário da graduação, que é um curso que tem mais conceitos teóricos, o MBA é mais voltado para relacionamentos e para a discussão de práticas usadas no mundo corporativo. Nas atividades, são usadas situações reais, daí surge a necessidade da experiência.

O profissional ainda pode fazer o MBA quando pretende dar “um salto” em sua carreira, se é coordenador e quer atingir o cargo de diretor, por exemplo. O curso, neste caso, o ajudará a se deparar com situações da nova função.

Consequências negativas

De acordo com Borges, normalmente, esse tempo não é respeitado por culpa até mesmo de algumas instituições de ensino. “Existem instituições que disponibilizam MBAs muito leves e que podem ser feitos junto com a graduação. Não faz nenhum sentido isso, porque perde-se a característica do programa. A própria instituição deturpa a visão do que é o MBA”, explicou.

A principal consequência negativa disso é a decepção do profissional, tanto com o curso quanto com o próprio conhecimento, já que ele pode ter a sensação de que aquilo que aprendeu na faculdade e no mercado de trabalho não serviram em nada. Pior do que isso, o profissional pode ter a sensação de que está na área errada, de que não deve seguir esse caminho.