Mais de 50% dos brasileiros acreditam ter facilidade para encontrar novo emprego

Levantamento, que ouviu mais de 64 mil pessoas em 53 países, aponta que o Brasil é o 5º mais otimista sobre o assunto

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Cerca de 54% dos brasileiros acreditam que teriam facilidade para encontrar novo trabalho, caso perdessem o atual, segundo revela pesquisa intitulada como “Barômetro Global do Otimismo”, divulgada na última quarta-feira (22) pelo Ibope Inteligência.

O levantamento, que ouviu mais de 64 mil pessoas em 53 países, 2.002 no Brasil, aponta que o país é o 5º mais otimista sobre o assunto, ficando atrás da Holanda (58%), Islândia (56%), Bélgica (55%) e Finlândia (55%).

A média global foi de 31% da população acreditando que conseguiria um emprego com rapidez, se ficasse desempregada.

Aprenda a investir na bolsa

Homens e jovens
Diante da possibilidade de perder o emprego, no Brasil, 38% acreditam que seria demorado encontrar um novo trabalho; 4% não procurariam emprego e outros 4% não souberam responder.

Dentre aqueles que acreditam que encontrariam facilmente uma nova colocação no mercado de trabalho, os homens possuem maior representatividade: 58% deles, contra 48% delas.

Assim como os homens, as pessoas entre 16 e 39 anos são as que mais acreditam na facilidade de recolocação: 57% para quem tem entre 16 e 24 anos; 60% para aqueles de 25 a 29 anos; e 59% entre os que estão na faixa de 30 a 39 anos. Já entre os que estão entre 40 e 49 anos ou têm 50 anos ou mais, os percentuais caem para 50% e 41%.

Faixa de renda e estado
Por faixa de renda, os brasileiros das classes A e B são os que mais acreditam na rapidez para encontrar um novo emprego, se precisassem (61%). Entre os que estão na classe C, o percentual é de 53% e de 45% para as classes D e E.

Por região, Sul e Sudeste ocupam a primeira colocação dos otimistas, com 58% das indicações cada. Nas regiões Norte e Centro-Oeste, a taxa é de 50% e, no Nordeste, de 44%.

No geral, entre os brasileiros que possuem um emprego remunerado, 61% acreditam que o mesmo é seguro; 36% acreditam que correm risco de perder o emprego e ficar desempregado e outros 3% não souberam responder.

PUBLICIDADE