Mais de 269 mil empresas atuam no setor cultural e empregam 1,4 milhão

De acordo com o IBGE, tais empresas representam 5,2% do total de negócios e 4,0% do montante de pessoas ocupadas

SÃO PAULO – De acordo com o Cadastro Central de Empresas (Cempre), 269.074 empresas e organizações atuavam no ramo de cultura em 2003, empregando mais de 1,431 milhão de pessoas.

Os dados, divulgados nesta quinta-feira (29), fazem parte do estudo “Sistema de Informações e Indicadores Culturais 2003”, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em parceria com o Ministério da Cultura (MinC).

5,2% do total de empresas

De acordo com o levantamento, as empresas que trabalham com atividades culturais representavam 5,2% do total de negócios (5,185 milhões) e 4,0% do montante de pessoas ocupadas (35,674 milhões).

PUBLICIDADE

Além disso, o setor com maior participação é o de Serviços, que concentrava aproximadamente 59% das empresas e 62% do pessoal ocupado na área da Cultura. O Comércio tinha 26,5% e 14,7%, respectivamente, e a Indústria de transformação de bens culturais, 14,7% e 22,8%.

Maiores empregadores

Dentro da categoria Serviços, os maiores empregadores eram os cursos de informática, balé, música, artes, artesanato etc, que juntos, respondiam por 134.969 postos de trabalho. Os serviços de Telecomunicações (80.285) e os de Processamento de dados (69.604) vinham em seguida.

Na Indústria, os destaques ficavam com o segmento de edição e impressão de outros produtos gráficos (47.569 funcionários), de jornais (37.702) e fabricação de artefatos diversos de madeira, palha, cortiça e material trançado (27.509). Já no Comércio varejista, o setor de livros, jornais e revistas (84.913) era o maior empregador.

Perfil dos ocupados

No conjunto de pessoas ocupadas no setor cultural, observava-se o predomínio dos homens (que representavam 52,1% dos trabalhadores do segmento) em relação às mulheres (47,9%). Além disso, a maioria (56%) dos empregados tinha entre 25 e 49 anos de idade.

De acordo com a ocupação do trabalho principal, observa-se que, no grupo de cultura, a participação dos empregados com carteira assinada é superior à do total de todas as atividades: 34,2% contra 32,9%.