AO VIVO Analisando ações: como fazer trades se você tem pouco tempo para operar

Analisando ações: como fazer trades se você tem pouco tempo para operar

Mais anos de estudo não significam salários muito maiores, revela Ipea

Em 1995, impacto do período de estudo sobre a renda estava em quase 14%. Em 2005, proporção caiu para cerca de 12,2%

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O total de anos que o brasileiro passa estudando não exerce mais tanta influência sobre o quanto ele irá receber quando estiver empregado. É esse um dos temas abordados por estudo divulgado na última semana pelo Instituto de Pesquisa em Economia Aplicada (Ipea).

Conforme o levantamento, em 1995, o impacto médio da escolaridade sobre a remuneração era de aproximadamente 14%. Essa proporção foi caindo em ritmo constante até 2001, ao atingir 13%. Depois disso, até 2004, a retração acelerou de ritmo e chegou a algo em torno de 12,2%.

Mais oferta

“O que está acontecendo é que hoje, em relação ao passado, há mais pessoas com superior, médio e fundamental completo”, explicou um dos coordenadores do estudo, Gabriel Ulyssea.

Aprenda a investir na bolsa

Dessa forma, o economista adicionou que, com mais profissionais qualificados no mercado, há maior potencial de preenchimento de vagas, o que torna desnecessária uma maior remuneração pelo serviço prestado.

Escolaridade média

“Na década de 90 a escolaridade média estava em torno de cinco anos. Em 2005, passou para oito anos”, contou Ulyssea.

Com isso há também uma diminuição da desigualdade. “E o fato de aumentar a quantidade daqueles que têm superior e médio completo faz com que esses trabalhadores se tornem uma mão de obra menos escassa”, concluiu.