Lojistas e Comerciários assinam acordo de reajuste de 8% no piso salarial

As negociações com o setor de supermercados ainda não finalizaram. Trabalhadores pedem aumento de 7,25%

SÃO PAULO – No último feriado, 12 de outubro, os comerciários do estado de São Paulo ameaçaram não trabalhar já que o acordo coletivo havia vencido em 1º de setembro. Pela lei é permitido o trabalho em feriados nas atividades do comércio desde que seja autorizado em convenção coletiva. 

Para assinar o acordo, os Sindicato dos Comerciários do Estado de São Paulo solicitava um reajuste salarial de 7,5%. 

Na sexta-feira (8), antes da data comemorativa, os comerciários e o Sindicato dos Lojistas de São Paulo oficializaram o acordo da Convenção Coletiva de Trabalho 2010/2011 que estabelecia aumento de 8% no salário dos trabalhadores.

PUBLICIDADE

Os demais salários acima do piso tiveram reajuste de 7,25%, sendo 4,29% de reposição de inflação e 2,84% de ganho real, o maior aumento real concedido nos últimos seis anos. De acordo com a nova convenção coletiva, o piso salarial dos demais empregados é de R$ 782, enquanto dos cargos de comissionista é de R$ 939 e de office-boy, copeiro e empacotador é de R$ 625.

Supermercados
Entretanto, as negociações junto ao Sindicato do Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios do Estado de São Paulo e Fecomercio-SP (Federação do Comércio do Estado de São Paulo) ainda não finalizaram. O sindicato dos comerciários afirma que os empregadores não concordam com a alta de 7,25% no salário dos trabalhadores.

Considerando que até o dia 04 de outubro ainda não havia sido assinada nenhuma norma coletiva, o Sindicato dos Comerciários ajuizou algumas ações civis públicas. O sindicato do setor lojista assinou o acordo, ocasionando a desistência das ações por parte dos comerciários.

Em relação ao setor de alimentos, que inclui os supermercadistas, permanece a ação judicial, na qual os empregados não são obrigados trabalhar nos feriados sem a assinatura da nova convenção coletiva de trabalho, conforme previsto pela legislação.