Líderes precisarão de mais envolvimento e preparo com treinamento “on the job”

Segundo especialista, no treinamento permanente, instrutores não são alheios à organização

SÃO PAULO – Os líderes precisarão ter mais envolvimento e preparo para lidar com uma nova situação das empresas: o treinamento on the job, em outras palavras, o treinamento permanente.

Ao menos, esta é a opinião da diretora de RH (Recursos Humanos) e autora do artigo “Treinamento on the Job”, que integra o livro colaborativo “Visões sobre o Treinamento Corporativo”, Carmem Sílivia Gonzalez Fritzsche.

De acordo com a especialista, o treinamento permanente tem como uma de suas principais características o fato de que os instrutores, as pessoas que vão passar conhecimento, não são alheias à organização.

PUBLICIDADE

“Isso vai exigir das lideranças da empresa um envolvimento e um preparo maior para que os processos de treinamento on the job possam alcançar êxito. Uma das qualidades que as lideranças precisarão ter será, justamente, a de atuarem como coachings internos, estimulando as pessoas a uma posição de aprendizado contínuo”, disse.

Treinamento on the job
Ainda segundo Carmen, a atual velocidade das mudanças vem fazendo com que os treinamentos de pessoal deixem de ser atividades pontuais e passem a ser permanentes dentro das empresas, com profissionais que integram seus quadros.

A prática, explica ela, antes associada a aspectos mais operacionais do trabalho, amadureceu e ganhou status mais rico, apresentando resultados mais rápidos. Isso porque, completa, as pessoas participam do treinamento na própria empresa, junto a seus líderes, o que as torna mais receptivas.

“A velocidade das mudanças obriga muitas empresas a manterem processos de treinamento “on the job” permanentes, porque é necessário preparar pessoas para o uso de novas tecnologias, novos sistemas, novos processos e operações”.