Líderes devem ter profundo conhecimento político, diz consultoria

Aproximação com o governo evitará recuo na privatização, liberalização do comércio e desregulamentação econômica

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Ter um profundo conhecimento político na era pós-recessão será característica fundamental para líderes empresariais, segundo afirmou a consultoria BGC (The Boston Consulting Group), durante o Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça.

“No futuro, as decisões dos líderes não serão baseadas apenas em critérios comerciais. Terão de levar em conta o que o governo quer, ou, em alguns casos, exige. Os executivos devem focar em fazer seus negócios crescerem em circunstâncias difíceis. Mas eles ignoram a política de forma arriscada. Os líderes empresariais precisam aprender a fazer política”, disse o sócio do BCG, David Rhodes.

Para a BCG, os líderes devem se aproximar do governo, para evitar que haja recuo em direção à desregulamentação econômica, privatização e liberalização do comércio.

Aprenda a investir na bolsa

Dificultador do crescimento econômico
Em uma pesquisa realizada pela BGC, foi constatado que 81% dos executivos consideram que a crescente onda de intervenção dos governos agirá como dificultador do crescimento econômico.

O levantamento destacou também que 75% acreditam que haverá aumento no protecionismo comercial e financeiro, enquanto 71% esperam aumento de medidas protecionistas em relação ao trabalho e 64% afirmaram que o crescimento econômico será difícil.

“Em um mundo em que as políticas de longo prazo de estímulo fiscal e monetário tornam-se norma, as empresas devem se aproximar ainda mais do governo, seja por meio de lobbies ou previsões de onde o governo pretende gastar”, comentou o também sócio do BCG, Daniel Stelter.

O estudo foi realizado entre 24 de agosto e primeiro de setembro e foi respondido por 434 gestores de negócios em sete países. Os entrevistados representam empresas de todos os setores (exceto serviços financeiros), com pelo menos US$ 1 bilhão de faturamento global em 2008.