Liderança Contingencial: capacidade de adaptação impera no mercado atual

A gestão de pessoas requer líderes mais flexíveis, com capacidade de lidar com adversidades

SÃO PAULO – Ser um bom coordenador de equipe é muito mais do que ser um “chefe”, palavra antiquada que pode ser associada a alguém que manda fazer e assiste da janela tudo acontecer. É preciso envolvimento, interesse e muito jogo de cintura de quem se torna um líder
e passa a trabalhar na gestão dos recursos humanos da empresa.

Existe algum segredo para se atingir o desempenho perfeito de liderança? Podemos dizer que existem meios para que a liderança atinja a satisfação entre os funcionários de uma empresa, mas não há fórmulas mágicas a serem seguidas, uma vez que estamos tratando de pessoas, com características e personalidades únicas.

Liderança adaptável

Neste contexto, diante de uma necessidade mais atual, do mundo moderno, surge a Teoria Contingencial, que traduz um estilo de liderança além do básico, isto é, onde não há um estilo ideal, mas sim um que seja adaptável à qualquer situação.

PUBLICIDADE

Em outras palavras, isto implica em dizer que deve existir uma combinação de estilos de liderança aplicados aos níveis de maturidade dos subordinados, porém sempre considerando cada situação, cada tarefa específica, e cada peculiaridade deste processo. Assim, pode-se concluir que é uma técnica de grande relevância dentro de uma empresa, porém a prática deve ser diária.

Liderar estagiários, auxiliares, profissionais da categoria JR ou sênior, requer comportamento diferenciado. Assim, em determinadas situações o líder será diretivo, autocrático, instrutor, incentivador e aquele que delega e cobra resultados. Tudo, mais uma vez, dependendo de cada situação. O líder tem o papel de facilitador e capacidade para desenvolver outros líderes.

A situação atual frente aos modelos clássicos

Sobressai aqui, portanto, a habilidade em se perceber condições ambientais e revertê-las a favor da organização.
A estrutura e o funcionamento das empresas atuais são mais complexos, até mesmo porque o mercado de trabalho exige profissionais mais flexíveis, constantemente renovando seus conhecimentos.

Variáveis sociais, políticas, econômicas, tecnológicas, culturais e legais também levam à adaptação da postura do líder contemporâneo.

Neste sentido, os modelos clássicos (hierarquia, divisão do trabalho, padronização de processos etc) vão ficando para trás e cada vez fica mais claro que o sucesso depende das condições do ambiente externo ou contexto que a empresa atuava, em cada momento. Outra característica importante: o líder tem que ter a capacidade de criar ambientes para mudança, inovação, criatividade.