AO VIVO Por Dentro dos Resultados: CEO da GPC divulga e comenta os resultados da empresa no 3º trimestre

Por Dentro dos Resultados: CEO da GPC divulga e comenta os resultados da empresa no 3º trimestre

Laptop de US$ 100 deverá ajudar com a inclusão digital de crianças de países pobres

Produto apresentado na Cúpula Mundial da Sociedade de Informação poderá resolver a falta de verba para digitalização

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A falta de recursos dos países em desenvolvimento se reflete na educação de suas crianças. O Brasil, por exemplo, que é o maior país da América Latina, dispõe de um sistema educacional muito fraco, principalmente no que diz respeito à informática e acesso à internet.

Com o objetivo de garantir maior inclusão tecnológica nesses países, o MIT (Laboratório de Mídia do Instituto de Tecnologia de Massachussets) desenvolveu uma solução inovadora: um laptop que custa US$ 100. A divulgação do novo computador popular foi feita nesta quinta-feira (16) durante a Cúpula Mundial da Sociedade de Informação, realizada na Tunísia.

O modelo, que tem o tamanho de um livro e, segundo seus criadores, é verde brilhante para agradar às crianças e passar uma idéia ambiental, pode fazer praticamente tudo que um computador normal faz, exceto armazenar uma quantidade muito grande de dados.

Barato e econômico

Aprenda a investir na bolsa

O novo computador foi montado baseado no software livre Linux, e se conecta à internet sem a necessidade de cabos ou fios. Além disso, além de funcionar com energia elétrica, o novo computador também opera com pilhas.

Existe também a opção de gerar energia através de uma manivela, para quem não tem acesso às duas formas anteriores. Um minuto de giros equivale a algo como dez a quarenta minutos de conexão. A tela colorida pode ser alterada para preto e branco de forma a ser visualizada mais facilmente sob a luz do sol.

Porém, os criadores já avisaram: o produto não chegará às lojas. A idéia deles é negociar com os governos dos países pobres e lutar pela inclusão digital das crianças menos privilegiadas. O Brasil já está na fila, conversando com o MIT.