AO VIVO Rodrigo Furtado, da XP Asset, fala sobre uma oportunidade no mercado de ações

Rodrigo Furtado, da XP Asset, fala sobre uma oportunidade no mercado de ações

Juizados especiais são ineficazes em 65,3% dos processos

Segundo estudo da Cebepej, dentre os acordos firmados, apenas 45,7% deles são cumpridos

SÃO PAULO – As audiências de conciliação dos juizados especiais cíveis não conseguem firmar acordos em 65,3% dos casos, revela uma recente pesquisa divulgada pelo Centro Brasileiro de Estudos e Pesquisas Judiciais (Cebepej) na última quinta-feira (25).

Segundo o levantamento, chamado “Avaliação dos juizados especiais cíveis”, apresentado pelo ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, quando as audiências estão em fase de julgamento (com a presença de um juiz), as conciliações são alcançadas em apenas 20,9% das ações.

“O mais importante é que tenha juízes vocacionados para trabalhar nos juizados especiais”, analisa Maria Tereza Sadek, professora da Universidade de São Paulo (USP) e coordenadora da pesquisa. “Em segundo lugar, nós poderíamos pensar na existência de conciliadores treinados, conciliadores que estivessem lá não apenas para cumprir uma tarefa burocrática, mas com a missão de buscar a conciliação”.

Decisões não são cumpridas em 54,3% das ações

PUBLICIDADE

Apesar de a criação desses juizados (Lei n. 9099/95) ter por objetivo firmar soluções amigáveis para os conflitos, o índice de cumprimento dos acordos é de apenas 45,7%, enquanto a interposição de recursos às decisões chega a 31,2% e a revisão das decisões a 12,4% dos casos.
Aproximadamente 60,2% dos processos, diz a pesquisa, foram encaminhados sem a presença de um advogado, enquanto no Rio de Janeiro, única exceção, essa proporção é de 51,9%.

Reivindicações

Indenização por dano moral (20%) e liminar ou antecipação dos efeitos da tutela (como pedido para a retirada do nome do Serviço de Proteção ao Crédito), com 6,8% dos casos, são os principais pedidos encaminhados para os Juizados Especiais Cíveis.