Jovem e em um cargo de responsabilidade? Veja como passar confiança!

Para consultora, profissional deve mostrar conhecimento, vender seu trabalho para a equipe e saber se comportar

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Você estudou muito, começou a trabalhar cedo e agora já vê os resultados do seu esforço: chegou a um posto de responsabilidade na empresa antes dos 30 anos. Pode ser considerado um “jovem talento”. O fato, apesar de ser positivo, pode ter implicações negativas. A primeira delas é a desconfiança por parte de clientes, fornecedores e até mesmo dos colegas de equipe.

“Isso acontece tanto pela idade mesmo do profissional, que faz com que as pessoas pensem que ele não tem experiência ou conhecimento suficientes; ou por preconceito dos mais velhos e das pessoas com mais tempo de empresa, que se julgam mais competentes”, afirmou a consultora de RH (Recursos Humanos) da Catho Online, Camila Mariano.

O que fazer?

Questionada sobre o que o jovem profissional deve fazer em uma situação como esta, Camila afirmou que ele deve “demonstrar que conhece bem do negócio e que não está em seu posto à toa”. De acordo com ela, a partir do momento que mostrar competência é que ele passará a ganhar credibilidade.

Aprenda a investir na bolsa

Além disso, ele deve atentar à forma como lida com a equipe. “Assim como tem de mostrar o trabalho para o superior, tem de mostrar para os membros da equipe: provar para eles que é competente, assim como faz para o superior”, explicou a consultora.

Mas não são só aspectos relacionados às atividades e ao relacionamento que o jovem talento deve se preocupar. O comportamento conta muito para passar confiança. Veja algumas dicas dadas por Camila:

  • Comportamento: o jovem é mais extrovertido, mas ele tem de mostrar um comportamento maduro, com seriedade;
  • Modo de se vestir: é preciso se adequar à forma como a empresa conduz esta questão, buscando discrição e sendo o mais sóbrio possível em relação ao traje;
  • Vocabulário: evite as gírias e, principalmente, jargões muito novos na área, que podem não funcionar com os profissionais com mais tempo no mercado de trabalho.