Jovem brasileiro não considera o dinheiro como o valor mais importante

Pesquisa revela que 79% dos entrevistados consideram dinheiro importante; família e saúde são valores principais

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Dinheiro não é o valor mais importante para os jovens. Antes dele, família, saúde, trabalho e estudo figuram como as principais preocupações desta parcela da população. Este perfil foi traçado através de pesquisa realizada pelo Datafolha junto a jovens entre 16 e 25 anos.

Tem importância…

De acordo com o levantamento, que colheu opiniões de 1.541 jovens em 168 municípios de 24 estados brasileiros, além do Distrito Federal, 79% dos entrevistados declara que o dinheiro é “muito importante” ou “importante” na vida, enquanto 99% do total considera que a família e a saúde são os valores mais importantes.

A pesquisa mostra que os jovens do sexo masculino são os que dão mais importância ao dinheiro: dos 37% que classificaram o item como “muito importante”, 40% são meninos, e 33%, meninas.

Aprenda a investir na bolsa

Ainda considerando esse grupo, 42% dos jovens são moradores das regiões Norte e Centro-Oeste, 42% declaram maior renda familiar, 48% se declaram negros, e 50% declaram morar sozinhos. Apenas 15% dos jovens entrevistados consideram o dinheiro um pouco ou nada importante.

…mas não é tudo

Antes de estar preocupado em ganhar dinheiro, a média dos jovens brasileiros se importa com a família e com a saúde. O valor à família é superior à média entre os jovens com maior renda familiar mensal (91%, ante 82% no geral), enquanto jovens com curso superior destacam-se entre os que consideram muito importante a saúde – 91%, contra 86% no total.

Outros valores universais entre os jovens são trabalho (97%) e estudo (96%). Entre os homens, a opinião varia conforme a idade: 61% dos que têm 16 e 17 anos consideram o trabalho muito importante, taxa que atinge 72% entre os jovens entre 22 e 25 anos.

O comportamento é semelhante com relação ao estudo: jovens entre 16 e 17 anos que o consideram importante chegam a 65%, contra 76% dos jovens com 22 a 25 anos. Essa variação não é observada considerando as jovens mulheres.

No geral, a valorização do estudo é proporcional à escolaridade. Entre os menos escolarizados, 64% consideram o estudo muito importante, ante 89% entre os mais estudados. A renda também influencia na priorização do estudo, sendo que 67% dos que declaram renda mensal de até dois salários mínimos consideram-no muito importante. Para os jovens com renda familiar acima de cinco salários mínimos, essa parcela chega a 81%.

Convívio social

Depois da família, saúde, do trabalho e estudo, outros valores mais importantes para os jovens são o lazer (88%) e os amigos (85%). Jovens pertencentes às classes E e B são os que mais valorizam o lazer (93%), enquanto que os com ensino superior destacam-se como os que mais valorizam os amigos: 62%.

PUBLICIDADE

Religião e sexo são os valores mais importantes para 81% dos jovens, sendo que as meninas valorizam mais a religião do que os meninos (84% contra 77%, respectivamente, consideram-na importante ou muito importante).

Nos olhos de quem vê

Beleza (74%) e casamento (72%) são os valores menos importantes, dentre os entrevistados. Casar tem maior valor conforme aumenta a idade. De 66% entre os que têm 16 e 17 anos, a parcela de jovens que consideram o casamento muito importante salta para 74% entre os que têm 22 anos ou mais.

Já com relação a beleza, ocorre o contrário: 73% dos que têm entre 22 e 25 anos atribuem-lhe importância, em contraste com 78% dos mais jovens. A importância da beleza também diminui conforme aumenta a escolaridade, e é menor entre os jovens que moram nas capitais, em relação aos residentes em regiões metropolitanas.

Pesquisa

Para as conclusões, os jovens foram convidados a classificar cada um dos itens como: muito importante, importante, mais ou menos importante, um pouco importante ou nada importante em sua vida.