Inveja é pior defeito no ambiente de trabalho para 30% dos estudantes

Enquete com mais de 14 mil estudantes mostra que individualismo e mentira também podem prejudicar carreira

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A inveja é um dos sentimentos mais destrutivos do comportamento humano. E no mundo corporativo não é diferente. Esse sentimento pode prejudicar tanto o profissional como a equipe e deixar o clima ainda mais pesado. E os jovens em início de carreira sabem disso.

Enquete realizada com 14.047 estudantes pelo Nube (Núcleo Brasileiro de Estágios) mostra que a inveja lista no topo dos sentimentos que eles consideram como os piores no ambiente de trabalho: 30% apontaram que a inveja como o pior defeito no ambiente corporativo.

Para a gerente de Treinamento do Nube, Carmen Alonso, a inveja é recorrente nas empresas. “Hoje, elas premiam os melhores desempenhos. E quem atinge os melhores resultados conseguiu uma boa sintonia com a empresa. Quem não entra nessa sintonia, se esconde e critica”, avalia a especialista.

Aprenda a investir na bolsa

A inveja no mundo corporativo, ela explica, é a soma desses elementos: os bons resultados do outro com a falta de sintonia do profissional. O resultado: “esse profissional que sente inveja do outro perde oportunidades de aprender, além de não ser visto com bons olhos”, explica Carmen.

Sentimentos que empacam a carreira
Além da inveja, outros sentimentos podem prejudicar o desenvolvimento da carreira, como o individualismo, apontado por 25,36% dos estudantes como o pior defeito no ambiente de trabalho. A percepção dos jovens demonstra que eles estão abertos para o trabalho em equipe. “Eles preferem trabalhar em equipe, mas isso não significa que eles possuem essa habilidade”, afirma a especialista.

O fato de os jovens mencionarem o individualismo como um sentimento prejudicial no mundo corporativo aponta, ao menos, que eles têm alguma noção da realidade: cada vez mais as empresas valorizam profissionais que sabem trabalhar em equipe.

A mentira é um dos piores defeitos no trabalho, segundo responderam 22,8% dos estudantes que participaram da enquete e a arrogância aparece em seguida, com 20,47% das respostas. “Esses sentimentos consomem energia produtiva”, avalia Carmen.

A ansiedade, embora não esteja entre os primeiros sentimentos mais mencionados pelos jovens, aparece com 1,29% das respostas. Para a especialista, isso não significa que os profissionais em início de carreira não são ansiosos. Ao contrário: “eles são muito ansiosos, é que pela pergunta da enquete, eles listaram os piores defeitos”, explica.

Qualidade
Para Carmen, considerando os sentimentos que influenciam positivamente o clima no trabalho, os jovens listariam trabalho em equipe, iniciativa, seriedade, gestão do tempo e comprometimento.

PUBLICIDADE