RADAR INFOMONEY AO VIVO Império X, de Eike Batista, volta ao radar, com OSX subindo até 67% com fim da RJ; mas as ações têm futuro?

Império X, de Eike Batista, volta ao radar, com OSX subindo até 67% com fim da RJ; mas as ações têm futuro?

avanço moderado

Indústria paulista criou 10 mil empregos em janeiro

Apesar da alta, a indústria demitiu 46 mil funcionários nos últimos 12 meses

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A indústria do estado de São Paulo criou 10 mil postos de trabalho no primeiro mês do ano, na comparação com dezembro de 2012. Foi o que revelou a pesquisa da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), divulgada nesta terça-feira (19).

De acordo com o estudo, o setor de Máquinas e Equipamentos foi o que mais contratou no período, com cerca de dois mil novos empregados. “Os números são positivos, mas ainda não mostram com clareza que a esperada recuperação do parque produtivo brasileiro vai acontecer este ano”, afirmou o diretor do Depecon (Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos) da Fiesp, Paulo Francini.

Considerando apenas no mês de janeiro, a geração de 10 mil empregos resultou em uma variação de 0,38%. Apesar de ser positiva, a indústria demitiu 46 mil funcionários nos últimos 12 meses, o que equivale a uma queda de 1,75% em relação a janeiro do ano anterior.

Aprenda a investir na bolsa

Setores e regiões
Do total de contratações ocorridas em janeiro, a indústria foi responsável pela criação de 11.835 vagas. Dos 22 setores analisados, 14 apresentaram efeitos positivos, três fecharam o mês em queda e cinco ficaram estáveis.

O emprego no setor de Couros e Fabricação de Artigos de Couro, Viagem e Calçados registrou o crescimento mais expressivo com 3,2% em janeiro versus dezembro, seguido pelo bom desempenho da indústria de Produtos Têxteis, com 1,2%.

A pesquisa também mostra que das 36 regiões analisadas, 23 apresentaram quadro positivo de contratações, oito ficaram negativas e cinco regiões paulistas encerraram o mês estáveis. Sertãozinho foi a cidade que apresentou a maior alta com taxa de 2,76% em janeiro, impulsionada por Produtos Alimentícios (2,53%) e Máquinas e Equipamentos (7,08%).