IBGE: taxa de desemprego em julho foi a menor para o mês desde 2002

População desempregada diminuiu 0,1 ponto percentual frente a junho e 1,1 p.p. em relação ao mesmo período de 2009

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Em julho, a taxa de desemprego nas seis principais regiões metropolitanas do País foi a menor para este mês, desde o ano de 2002.

O nível de desocupação recuou 0,1 ponto percentual frente a junho, para 6,9%, segundo revelam dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que divulgou a Pesquisa Mensal de Emprego nesta quinta-feira (26).

Em relação ao mesmo período do ano passado, o contingente de desocupados (1,6 milhão) apresentou variação de 1,1 ponto percentual.

Aprenda a investir na bolsa

Já no acumulado de 2010, a média da taxa de desocupação foi estimada em 7,3%, um decréscimo de 1,2 ponto percentual em comparação com igual período de 2009, quando o índice foi de 8,5%

Regiões
No sétimo mês do ano, com exceção de São Paulo e Rio de Janeiro, que apresentaram quedas, e de Belo Horizonte, que se manteve estável em relação ao mês imediatamente anterior, todas as capitais pesquisadas apresentaram avanço nas taxas de desocupação.

Recife, por exemplo, registrou alta de 1,4 ponto percentual, passando de 8,6% para 10% em um mês, o que a fez atingir o maior valor da série. A seguir está Salvador, que aumentou em 0,1 ponto percentual sua taxa de desemprego.

Tomando-se como base a comparação anual, houve recuo na taxa em cinco das seis capitais pesquisadas. A exceção foi Salvador, onde a taxa passou de 11,4%, em 2009, para 12,3%, em julho deste ano, conforme vemos na tabela: 

LocalJulho de 2009Julho de 2010
Recife10,2%10%
Salvador11,4%12,3%
Belo Horizonte6,1%5,1%
Rio de Janeiro6,3%5,4%
São Paulo8,9%7,2%
Porto Alegre5,8%4,8%
Total8%6,9%

Ocupados
Em julho, a população ocupada (22 milhões) manteve-se estável perante a junho e cresceu 3,2% no confronto com o ano passado.

Sobre o perfil dos contratados, a pesquisa indica que o contingente de trabalhadores com carteira assinada (10,2 milhões) ficou estável em relação a junho e cresceu 5,9% no ano.

PUBLICIDADE