Holerite: quase 80% dos pisos não ultrapassam 1,5 salário mínimo, diz Dieese

Pesquisa constatou queda do valor médio dos pisos salariais, entre 2005 e 2008, tendo o mínimo por base

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Cerca de 56% das categorias profissionais possuem pisos de salário que não ultrapassaram o valor de 1,25 salário mínimo. Além disso, 77% não superaram o valor de 1,5 salário mínimo. Já os valores mais elevados, que representam pouco mais de 2% das categorias, registraram pisos salariais superiores a 2,5 salários mínimos.

Os resultados constam de pesquisa do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), intitulada “Balanço dos pisos salariais negociados em 2008” e divulgada nesta sexta-feira (22).

A pesquisa englobou 628 pisos salariais registrados no SAS-Dieese (Sistema de Acompanhamento de Salários), que abrangem categorias profissionais da indústria, do comércio, de serviços e do meio rural.

Valores

Aprenda a investir na bolsa

Confira na tabela abaixo, referente a 2008, a comparação entre os pisos salariais e o salário mínimo:

Equivalência em salários mínimos%
15,7
1,01 a 1,2550,5
1,26 a 1,5021
1,51 a 1,7513,1
1,76 a 24,6
2,01 a 2,252,2
2,6 a 2,500,6
2,51 a 2,751
Mais de 2,761,3

O principal critério utilizado para definição dos pisos salariais de diferentes categorias profissionais é a função, com 46,3%. Em seguida, aparecem os seguintes critérios: piso único (33,6%), tempo de serviço (16,9%), dimensão da empresa (10%), localidade (3,2%), vigência do piso (2,5%) e jornada de trabalho (2,1%).

Uma constatação importante da pesquisa foi a queda do valor médio dos pisos, entre 2005 e 2008, tendo por base o salário mínimo. Nesse período, o valor médio recuou de 1,73 salário mínimo para 1,34. Da mesma forma, a mediana – valor que separa os 50% maiores dos 50% menores – retrocedeu gradativamente, de 1,50 salário mínimo, em 2005, para 1,20, no ano passado.

A conclusão do Dieese é que um dos fatores dessa aproximação é a política de valorização do salário mínimo empenhada pelo governo, que tem reajustado seu valor em percentuais superiores à variação da inflação e à média dos reajustes salariais acompanhados pelo instituto de pesquisa.