Greve dos aeroviários e aeronautas de todo o Brasil é suspensa

TST concedeu, na noite desta quarta-feira, liminar determinando que sejam mantidos em atividade 80% do efetivo

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A greve dos aeroviários e aeronautas de todo o Brasil, programada para acontecer nesta quinta-feira (23) nos aeroportos de todo o País, foi suspensa.

O TST (Tribunal Superior do Trabalho) concedeu, na noite desta quarta-feira (22), liminar determinando que sejam mantidos em atividade 80% do efetivo dos profissionais de aviação. Caso contrário, haveria multa diária de R$ 100 mil a quem descumprisse a ordem do tribunal.

Na manhã desta quinta-feira (23), durante uma assembleia realizada pelos trabalhadores do setor aéreo na Sede do Sindicato Nacional dos Aeronautas, ficou decidido pela não paralisação nos aeroportos.

Aprenda a investir na bolsa

Além da relação com a liminar determinada pelo TST, o presidente Sindicato Nacional dos Aeronautas, Gelson Dagmar Fochesato, disse que a suspensão visa a atender a um forte apelo da sociedade.

“Devido ao forte apelo da sociedade nos últimos dias com relação ao Natal, os trabalhadores entenderam que seria bom suspender a greve. Queremos mostrar à sociedade que o problema não são os trabalhadores”, afirmou.

Em tom de revolta, o presidente do sindicato disse que a decisão do TST ultrapassa os limites do bom senso.

Direitos
Fochesato alertou a população para que fiquem atentos e cobrem das empresas os seus direitos. Segundo ele, mesmo sem a greve, muitos voos serão cancelados pela incapacidade de as empresas atenderem tamanha demanda de passageiros.

“Falta planejamento detalhado das empresas, que usam as tripulações além de sua capacidade laboral. Temos de mostrar aos usuários, que os trabalhadores preservam a segurança dos voos”, avalia o presidente.

Negociações
De acordo com Fochesato, as negociações só serão retomadas na segunda semana de janeiro de 2011 com o objetivo de resolver as diferenças no aumento de salários, principal reivindicação dos aeroviários que exigem um incremento de 13%.

PUBLICIDADE

“Em setembro já fizemos uma assembleia, e entregamos para as empresas nossa pauta de negociação. No entanto, elas atrasaram as respostas e, fora isso, só querem dar 6,08% de reajuste”.