Grande SP: emprego formal no varejo cresce 7% em fevereiro, diz Fecomercio

O saldo de postos de emprego formal no ano chega a 937.466, segundo a Federação do Comércio de São Paulo

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O nível de emprego do comércio varejista na Região Metropolitana de São Paulo registrou aumento de 6,99% na comparação entre fevereiro deste ano e o mesmo mês do ano passado. Em relação a janeiro foram criados quase quatro mil novos postos de trabalho. O saldo de postos de emprego formal no ano chega a 937.466.

Os dados baseados no Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) foram divulgados pela Fecomercio-SP (Federação do Comércio do Estado de São Paulo) nesta quarta-feira (25).

Segundo a assessoria técnica da Fecomercio-SP, para 2011, o ritmo de contratações formais deve continuar, mas em uma escala menos acentuada, pois as variáveis socioeconômicas, como inflação e taxas de juros, devem apresentar trajetória ascendente, enquanto a oferta e acesso ao crédito e alongamento de prazo tendem a arrefecer.

Aprenda a investir na bolsa

Admissões e demissões
O número de admitidos em fevereiro deste ano ficou em 47.458, contra 39.454 registrados em janeiro e 39.087 em fevereiro de 2010. O número de demitidos ficou em 43.806 em fevereiro deste ano, contra 44.066 em janeiro e 35.991 em fevereiro de 2010.

Houve crescimento na taxa de admitidos, saltando de 4,23% em janeiro para 5,06% em fevereiro, demonstrando incremento na rotatividade de admitidos. A taxa de demitidos em relação ao saldo de trabalhadores com carteira assinada passou de 4,72% para 4,67%.

Salários médios
O salário médio do comércio varejista ficou em R$ 1.417. As atividades que registraram os maiores salários foram lojas de departamento, com R$ 2.292, lojas de eletrodomésticos e eletroeletrônicos, com R$ 1.952, concessionárias de veículos, com R$ 1.637, e autopeças e acessórios (R$ 1.504). O setor de supermercados apontou a menor média salarial, de R$ 1.205.