Governo receberá centrais sindicais para discutir reajuste do salário mínimo

Serão discutidos também o reajuste dos aposentados que ganham acima do piso e a correção da tabela do IRPF

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O governo decidiu receber as centrais sindicais no dia 26 de janeiro, para negociar o reajuste do salário mínimo para R$ 580 e a correção da tabela do IRPF (Imposto de Renda da Pessoa Física).

Quem receberá os representantes do movimento sindical será o ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho.

Outro assunto a ser discutido será o reajuste dos aposentados que ganham valores acima do piso nacional.

Aprenda a investir na bolsa

“O nosso objetivo é manter o crescimento econômico, com distribuição de renda e geração de emprego. Isso só se faz com a valorização da renda proveniente do trabalho”, afirmou o presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva.

Acordo
Depois de manter a política de correção anual da tabela do IR, o benefício previsto em lei terminou no ano passado. 

Segundo a Força Sindical, no acordo entre as Centrais Sindicais e o governo, estava previsto que a correção da tabela do imposto seria revista para 2011.

“É bom ressaltar que milhares de trabalhadores passarão a pagar imposto de renda após os reajustes salariais do ano passado”, afirmou o presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, mais conhecido como Paulinho.

Os sindicatos, como o Sindpd (Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados e Tecnologia da Informação), por exemplo, pedem que a correção da tabela do IR seja feita de acordo com a inflação de 2010 – 6,46%, segundo o INPC/IBGE -, o que tornaria isentos os trabalhadores que ganham até R$ 1.595,99.

Para garantir a correção, as centrais estão ingressando com ações na justiça.

PUBLICIDADE

Passeata
Na terça-feira (18), as centrais sindicais se manifestaram para cobrar a correção da tabela do Imposto de Renda e o salário mínimo de R$ 580. 

Na cidade de São Paulo, houve uma concentração no vão livre do Masp, seguida por uma passeata até o TRF (Tribunal Regional Federal), também na Avenida Paulista.