Funcionários se sentem ameaçados quando o assunto é acesso à internet

Pesquisa mostrou que 74% dos profissionais creem que seus empregos correm risco se forem pegos em sites de jogos

SÃO PAULO – Pesquisa realizada pela Websense mostrou que 74% dos profissionais brasileiros acreditam que seus empregos estarão em risco se forem pegos acessando sites de jogos durante o expediente.

Mas o que está no topo da lista mesmo, no que se refere ao risco de demissão, na percepção dos entrevistados, é o vazamento de informações, com 90% das respostas. Em seguida, aparece o acesso a sites de conteúdo adulto, com 86%.

De acordo com gestores de Tecnologia da Informação, o acesso a esse tipo de site, acidental ou propositalmente, sofreu um aumento de 39 pontos percentuais no Brasil, na comparação com o ano passado (56% contra 17%).

PUBLICIDADE

Já quando a pergunta sobre o risco de desemprego é direcionada a gerentes de TI, 86% atribuem o risco maior ao vazamento de informações. Trata-se o maior percentual entre os países da América Latina pesquisados – Argentina, Chile, Brasil, Colômbia, México, Peru e América Central.

O estudo foi realizado com base em 700 entrevistas em empresas com, no mínimo, 250 funcionários.

Preocupação

Enviar documentos do trabalho para o e-mail pessoal é a principal preocupação dos gerentes de TI brasileiros, com 74% das respostas. O número é elevado, mas essa preocupação é mais alta entre gerentes do Peru (78%) e da América Central (80%).

Outra preocupação dos gerentes de TI é o uso dos computadores da empresa por familiares ou amigos do funcionário.

“As empresas estão cada vez mais entendendo o risco da exposição associada a uma navegação sem controle, inclusive à fuga de informações. É muito difícil prevenir uma fuga monitorando-se somente palavras-chave ou expressões regulares, mesmo em caso de ações que não são necessariamente, por si só, uma fuga, como no caso de um funcionário que envia um documento do trabalho para o seu e-mail pessoal, para continuar trabalhando em casa”, explicou o gerente de Engenharia de Vendas para América Latina da Websense, Fernando Fontão.