Funcionários dos Correios decidem manter greve; 84 mi de cartas estão paradas

Decisão foi tomadas após reunião com ECT. Sindicatos devem se reunir neste sábado para discutir os rumos da paralisação

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Após reunião entre a ECT (Empresa de Correios e Telégrafos) e comissão da Fentec (Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares), realizada na última quinta-feira (10), trabalhadores em greve há 11 dias decidiram manter a paralisação.

De acordo com o diretor de política sindical da federação, Geraldo Rodrigues, será realizado, no próximo sábado (12), em Brasília, um encontro com todos os sindicatos brasileiros para debaterem todas as questões sobre a greve.

Além disso, Rodrigues afirmou que as propostas, feitas pela empresa, serão discutidas e repassadas aos sindicatos. “A gente vai discutir hoje em cima dessa proposta, apesar de que não é uma proposta boa para os trabalhadores. Mas nós vamos discutir com todos os sindicatos parados e pelo menos passar a proposta que o ministro está intermediando”, disse em entrevista à Agência Brasil.

Propostas

Aprenda a investir na bolsa

A proposta apresentada pela ECT e intermediada pelo ministro do TST (Tribunal Superior do Trabalho), Rider Nogueira de Brito oferece pagamento de 30% do abono que vinha sendo pago por mais dois meses e suspende o PCCS (Plano de Cargos, Carreiras e Salários).

A categoria reivindica a adoção de um novo PCCS e de uma nova política de participação nos lucros e a incorporação dos 30% de abono, referente a um adicional de periculosidade.

Mercadorias

De acordo com a assessoria de imprensa dos Correios, a greve, iniciada no dia 1º deste mês, já causa o atraso de 35% das correspondências recebidas desde então, o equivalente a 84 milhões. No que diz respeito a encomendas, 360 mil estão acumuladas.

A paralisação conta com a adesão de 27% dos carteiros, de 21 estados mais o Distrito Federal.