Relatos

Funcionários dos armazéns da Amazon dizem ser proibidos de ir ao banheiro e ter movimentos “controlados”

Ex-funcionários dos armazéns da empresa relatam condições "chocantes" e rígidas de trabalho, mas Amazon nega

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Anualmente, a Amazon é eleita uma das melhores empresas para se trabalhar em diversos países do mundo. Relatos de funcionários e ex-funcionários da Amazon, especificamente os que trabalham em seus armazéns e depósitos, mostram, entretanto, que a realidade não é tão boa quanto parece – pelo contrário: as condições de trabalho são “chocantes” e “desmoralizantes”, segundo alguns deles.

O jornalista britânico James Bloodworth foi um dos primeiros a comentar sobre a situação. Em 2016, ele trabalhou nos armazéns da empresa por cerca de um mês “disfarçado”, como parte da investigação que fez para escrever seu livro “Hired: Six months undercover in low-wage Britain” (em tradução livre para o português, “Contratado: seis meses disfarçado na Inglaterra de baixos salários), que analisa as condições de trabalho na Inglaterra.

Uma das situações dos armazéns da Amazon que mais o marcaram, ele contou ao Business Insider, foi ter encontrado uma garrafa de urina em uma das prateleiras do armazém – e que ela estava lá porque os funcionários tinham receio de não conseguir bater suas “metas rigorosas” se parassem seu trabalho para ir ao banheiro.

PUBLICIDADE

Outro funcionário relatou ao site situação semelhante: de ter se incomodado com o cheiro de urina que emanava das latas de lixo do armazém e ter a confirmação de que funcionários urinavam nelas após checarem as câmeras de segurança. “Tomar água é uma preocupação para nós porque deixar de trabalhar para ir ao banheiro pode levar de 10 a 15 minutos. Essas ‘paradas’ são monitoradas e depois somos avisados”, contou.

Eles ainda dizem que se sentem como “robôs” por conta dos movimentos pré-determinados e repetitivos que, dizem, são monitorados por um dispositivo portátil, além de serem filmados durante todo o dia pelas câmeras de segurança espalhadas pelo armazém. Detectores de metal na entrada e saída do armazém também fariam parte da rotina.

Para o Business Insider e o jornalista, a Amazon negou as histórias contadas, dizendo que não são “corretas”. Também negou o monitoramento rígido de funcionário. Ela afirmou que “garante um local de trabalho positivo e seguro para centenas de pessoas” e “se os funcionários não atingem as metas esperadas, nós os damos apoio e coaching para que possam evoluir”.