Apple

Funcionário da Apple se demite e escreve carta detonando empresa

Ben Farrell trabalhou no escritório de Sydney da Apple por mais de um ano como gerente do programa de qualidade do “AppleCare”, programa de suporte técnico.

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Ben Farrell é um ex-funcionário da Apple que ao demitir-se da empresa, publicou um post no qual explicava as razões de sua saída da empresa, ressaltando principalmente as exigências feitas aos funcionários.

Farrell, no texto, explica que a Apple espera que os empregados trabalhem dezesseis horas por dia, que são então seguidas por “reuniões após reuniões seguidos de mais reuniões”, conta o Business Insider.

Ele trabalhou no escritório de Sydney da Apple por mais de um ano como gerente do programa de qualidade do “AppleCare”, programa de suporte técnico.

PUBLICIDADE

Essa situação não é facilmente encontrada, já que funcionários da empresa raramente comentam sobre sobre o tempo em que trabalharam nela. Normalmente, eles assinam contratos de sigilo, o que surpreende o relato de Farrell assinado por sua real identidade.

Outros funcionários da Apple também já comentaram sobre situações semelhantes, principalmente as longas horas que as equipes devem trabalhar. Farrell afirma que a empresa não é tolerante (e “não respeita”) com doenças, emergências familiares ou até mesmo casamento. Ele conta que “perdeu uma viagem de negócios pois minha esposa estava grávida, caiu das escadas e teve de ser hospitalizada – e isso foi listado como um ‘problema de desempenho’ em minha ficha e foi levantado como uma ‘grande falha’ em meu comportamento”.

Também diz que a Apple fazia demandas insanas sob seu tempo. Reuniões duravam até a meia noite e ele recebia um script e era dirigido sobre o que dizer por seus gerentes em plataformas de mensagens instantâneas.

“Contraí um vírus que me incapacitou e fui hospitalizado por um curto período de tempo. Mas, ao invés de receber suporte, recebi um e-mail com uma apresentação na cama do hospital com uma nota que precisava ser complementada ‘urgentemente’. Até mesmo na manhã do meu casamento eu estava sendo assediado pelo celular e e-mails pedindo para enviar um relatório”, escreveu Farrell ao longo da publicação.

A crítica também se estende aos gerentes da Apple. “A gestão era inconsistente, temperamental e errática”, escreveu. Ele continua afirmando que “recebia chats agressivos a todo o tempo e mensagens a cada quinze minutos que perguntavam ‘você está online? Seu status mostra que não – você está aí?’ Eu recebia mensagens de voz grosseiras quando estava um minuto atrasado para uma reunião”, escreveu.

A cultura que descreveu parece ser forçada e artificial, mas muitos ex-funcionários já comentaram sobre experiências similares. O ex-diretor de tecnologias da internet, Don Melton, e ex-diretor dos aplicativos iOS Nitin Ganatra disseram em um podcast no ano passado que o tempo passado na Apple foi extremamente exigente.