Oferecido por

Formação em medicina envolve novas áreas de tecnologia e empreendedorismo

Da gestão de carreira à realidade virtual, faculdades de medicina se adaptam para atender demandas do mercado de trabalho

MoneyLab

Publicidade

Em 2022, cerca de 26 mil médicos se formaram no Brasil, segundo dados do Conselho Federal de Medicina (CFM). O país tem cerca de 550 mil profissionais atuantes, número que aumentou 37% nos últimos 12 anos. Assim como em outras profissões, a de medicina vem passando por transformações que exigem novas habilidades. Tecnologia e empreendedorismo aparecem na lista.

Uma pesquisa realizada pela consultoria Deloitte com 228 médicos no Brasil indica que as principais mudanças estão ligadas à capacitação sobre empreendedorismo e negócios na medicina, apontada por 55% dos respondentes, e o desenvolvimento de habilidades para trabalhar em equipe (50%). Também aparecem competências relacionadas ao uso de dados (44%) e o treinamento em novas tecnologias (43%).

Justamente para se adequar a esse cenário, as universidades estão adaptando seus cursos. É o caso do IDOMED (Instituto de Educação Médica), que incluiu o eixo acadêmico “GIS – Gestão e Inovação em Saúde”, no novo currículo, do primeiro ao último período do curso. O conteúdo visa desenvolver capacidades e habilidades de empreendedorismo.

“Entendemos que quando o médico empreende, com conhecimento em gestão de serviços públicos e privados na área de saúde, desempenha um importante papel e contribui positivamente para melhorar e desenvolver a comunidade na qual está inserido”, diz Silvio Pessanha Neto, CEO do IDOMED, ao MoneyLab.

Na graduação, o aluno de medicina IDOMED tem acesso aos conteúdos de autodesenvolvimento, liderança, gestão por indicadores, gestão financeira com noções de investimento, gestão de custos/honorários médicos, gestão de pessoas e equipes de alto desempenho.

“Ao longo de todo o curso, o aluno aprende as técnicas ligadas à gestão da sua carreira, e é estimulado ao empreendedorismo, sendo instrumentalizado e provocado a refletir, por exemplo, sobre como vai lidar com os desafios para montar seu primeiro consultório, escolher sua especialidade e desenvolver a carreira”, ressalta o CEO, que destaca que a instituição criou o IDOMED Carreiras, núcleo especializado com analistas de carreiras, para ajudar os alunos a pensar estrategicamente seus rumos profissionais.

“Nós mostramos como encontrar os caminhos. Por exemplo, ajudamos no passo a passo aquele aluno que quer fazer residência no exterior. Orientamos quem quer ser um cirurgião plástico de referência, o que ele precisa fazer, o que ele precisa colocar na sua caixa de ferramentas ao longo da formação. Queremos formar médicos felizes e realizados, que, para além do saber técnico, adquiram as competências necessárias para usufruir melhor da escolha que fizeram”, afirma Silvio.

A formação é aprofundada com o eixo, “HMP – Humanidades Médicas e Profissionalismo”, onde o aluno é exposto a reflexões sobre como desenvolver ou como integrar os conhecimentos médicos às soft skills, como a questão da empatia, do cuidado, do trabalho em grupo, da comunicação e da relação médico-paciente.

Tecnologia também é um caminho sem volta

De acordo com um levantamento do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação, ligado ao Comitê Gestor da Internet do Brasil, as teleconsultas foram utilizadas por 33% dos médicos do país em 2022 e houve crescimento no uso de rotinas ligadas a sistemas digitais, em comparação a 2019, ano anterior à crise da covid-19.

Os avanços mais acentuados aconteceram no manejo dos dados eletrônicos dos pacientes, como na listagem de medicamentos prescritos (74% de utilização em 2019 e 85% em 2022) e nas anotações de acompanhamento (69% para 79%). Já o monitoramento remoto de doentes cresceu de 9% para 23%. A pesquisa analisou 2,1 mil gestores de estabelecimentos de saúde e 1,9 mil profissionais da área entre abril e outubro de 2022.

Na saúde, soluções como inteligência artificial, big data, internet das coisas (IoT), robotização e outras já estão incorporadas na rotina. “O médico precisa se formar ambientado com o que ele vai encontrar no mercado de trabalho. Se o mercado demanda a análise de ferramentas de prontuário eletrônico, exames complexos, o aluno de medicina não pode se deparar com isso só depois de graduado”, defende Silvio.

Por isso, o IDOMED, que é o encontro entre as escolas de Medicina da Estácio, FAMEAC, FAMEJIPA, FAPAN e UniFacid, com aproximadamente 8 mil alunos e 7 mil médicos formados, aposta fortemente em tecnologia.

“Temos frentes como realidade virtual, aumentada e simuladores para ajudar no aprendizado dessa geração nativa digital. A gente traz tudo que há de inovador no mercado, por exemplo: mesas de dissecação em 3D e metaverso com avatares que se reúnem à beira do leito de um paciente de CTI virtual para discutir o caso”, explica.

O IDOMED aposta na prática em mais 60% da carga horária de seus cursos como um dos diferenciais. Há parceria com os principais hospitais e unidades de saúde do país e o ensino voltado à prática humanizada.

“Nossa metodologia coloca o aluno como protagonista do seu processo de aprendizagem desde o primeiro período. Temos inserção precoce do estudante na rede de saúde. Desde o início da formação o aluno já tem discussões de casos clínicos e é preparado para o atendimento”, diz o executivo.

Como se inscrever?

Os interessados em cursar medicina no instituto devem realizar o IDOMED Vest, Vestibular Unificado de Medicina entre as 17 instituições do grupo pelo Brasil e optar para qual escola deseja seguir (dependendo da quantidade de vagas), pagando uma taxa única de inscrição e realizando uma prova presencial.

As inscrições acontecem pelo site idomed.com.br e vão até o dia 06/06. Prova: 18/06. O candidato também pode ingressar via ENEM, fazendo a inscrição até o dia 17/05 pelo site.

MoneyLab

MoneyLab é o laboratório de conteúdo de marcas do InfoMoney. Publicidade com criatividade e performance a favor de grandes ideias. Publicamos conteúdos patrocinados para clientes e parceiros.