Folha de salários da indústria registra expansão real de 7,9% em abril, diz IBGE

Contudo, frente a março, a folha de pagamento real registrou queda de 2,4%; no acumulado do ano, alta é de 8,8%

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – De acordo com a Pesquisa Industrial Mensal de Emprego e Salário divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nesta quinta-feira, dia 18 de maio, a massa salarial do trabalhador registrou crescimento no mês de abril em relação a igual período em 2003.

Maior contribuição é da região Sudeste

Os dados do estudo mostram que houve crescimento de 7,9% na folha de pagamento real da indústria nacional em abril de 2004 em relação ao mesmo mês do ano anterior. A maior contribuição positiva foi assinalada na região Sudeste (7,3%), devido à expansão nos estados de São Paulo (6,8%) e Minas Gerais (15,2%).

No mesmo sentido, na avaliação do acumulado do ano, houve aumento real de 8,8% da folha de pagamento em todos os locais. A região Sudeste (8,7%) e São Paulo (9,1%) deram as maiores contribuições positivas.

Aprenda a investir na bolsa

Entretanto, na comparação com o mês de março, a folha de pagamento dos trabalhadores da indústria caiu 2,4%, já descontados os efeitos sazonais. Vale destacar que esta é mais intensa que a registrada em março, no mesmo indicador (-0,1%).

Já no indicador acumulado nos últimos doze meses, a folha de pagamento real registra sua primeira taxa positiva (0,6%) em abril, confirmando, deste modo, a trajetória de recuperação observada a partir de novembro de 2003.

Análise por regiões e setores

Em São Paulo, o destaque ficou por conta do forte crescimento na produção de máquinas e equipamentos (53,0%) e, em menor medida, na de produtos químicos (16,2%), considerando em ambos os casos a comparação com abril de 2003. Em Minas Gerais, o bom desempenho é explicado pelos setores de metalurgia básica (20,8%) e extrativo (39,1%), também em relação ao abril do ano anterior.

A região Sul também obteve boa performance (7,7%), destacando-se fabricação de meios de transporte (21,3%) e alimentos e bebidas (8,6%). Os três estados desta região obtiveram resultados significativos: Paraná com 9,2%, Santa Catarina com 8,5% e Rio Grande do Sul com 6,1%.

Em 14 dos 18 setores industriais houve ganho real na folha de pagamento na comparação entre abril deste ano e igual mês do ano anterior. As maiores influências positivas foram máquinas e equipamentos (32,7%), produtos químicos (11,5%) e fabricação de meios de transporte (8,2%). Já as negativas vieram de produtos de metal (-10,6%) e têxtil (-10,5%).