Final de ano é tempo de fazer balanço da carreira: você está no caminho certo?

"Reflita: de zero a dez, o quanto você está preparado para chegar lá? O que te falta?", orienta diretora da Leme Consultoria

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Um ano se passou e mais um ciclo se fechou. Muitas pessoas já começam a olhar para a frente, analisando as possibilidades que 2009 poderá oferecer. Mas, antes de fazer isso, é preciso olhar para trás: você está no caminho certo na sua carreira? Ao responder esta pergunta, você aproveitará melhor as oportunidades do próximo ano.

Para fazer essa análise, de acordo com a diretora da Leme Consultoria, Marcia Vespa, o primeiro ponto é ter em mente os objetivos na carreira, ou como você quer estar daqui a dois, cinco, dez anos. “Reflita: de zero a dez, o quanto você está preparado para chegar lá? O que te falta? Qual competência você precisa desenvolver para chegar à sua meta estratégica?”.

A reflexão é importante, de acordo com Marcia, porque muitos profissionais deixam para a empresa a responsabilidade de tomar decisões sobre o seu crescimento. Outros, por sua vez, têm objetivos em desacordo com seus valores pessoais e, quando os alcança, ainda assim se sentem insatisfeitos.
“Mais de 80% dos executivos estão insatisfeitos com os seus resultados. Não com as metas, metas todos podem atingir, mas com os seus valores”, explicou.

Segunda ação

PUBLICIDADE

Depois de analisar os objetivos na carreira, para saber se está no caminho certo, o segundo passo é compartilhá-los. Se você não declará-los, como a empresa saberá o que fazer para reter o talento? Se aproxime do seu chefe e peça feedback de performance. Essas são ações importantes de compartilhamento e ganho de aliados. Não há vitórias solitárias.

“Agora sim você pode saber se está no caminho certo na carreira: já conhece claramente seus objetivos, já sabe o que vai sentir quando chegar lá (valores pessoais) e já formou aliança com todos aqueles que vão te ajudar a chegar lá”, afirmou Marcia.

Empresa indica caminho certo?

De acordo com Marcia, estar num local em que se sente bem é um bom indício de que se está no caminho, mas não exclusivo. A sensação positiva indica, na verdade, que os seus valores pessoais estão alinhados com os da organização. O bom relacionamento, porém, não deve determinar sua permanência na empresa, se ela não está alinhada com os seus objetivos.

“Portanto, foque na sua efetividade no cargo atual concomitante aos seus planos de futuro, desenvolvendo diariamente competências que melhorem as suas chances de promoção; e crie oportunidades de carreira”.

Questionada se o salário também influencia na análise de que se está no caminho certo ou errado, Marcia afirmou crer que a remuneração é consequência de uma realização, fruto do esforço pessoal para uma conquista. O resultado, então, é que um salário que agrada indica que se está no caminho certo. Práticas injustas de remuneração, por sua vez, indicam o contrário.

“Vamos ser sensatos. Na relação empresa e empregado ninguém está praticando filantropia. Você, profissional, está vendendo seus conhecimentos, suas habilidades, suas competências, e a empresa pagará por isso. Nada incomoda mais do que enxergar práticas salariais que gerem sensação de injustiça”.

Como virar o jogo?

Depois da análise, se percebeu que está no caminho errado em sua carreira, Marcia indica aos profissionais que definam seus objetivos e desenvolvam um plano. “Pesquise, pondere, analise, converse com pessoas que estão na condição que você almeje. Prepare-se e programe-se”.

A diretora da Leme Consultoria afirmou que, no mundo corporativo, ninguém pode se dar ao luxo de não aprender mais e mais. “Leve contigo a frase de Nietzshe: “Quem tem um (objetivo) por que viver aguenta praticamente qualquer como”. Mas, por favor, descubra o seu motivo antes de agir”, orientou.