Fim da CPMF provoca corte de despesas: como fica quem passou em concurso público?

Segundo ministério do Planejamento, emprego está garantido; provas marcadas serão realizadas

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Para compensar o fim da CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira) e a perda de R$ 40 bilhões no orçamento, o governo anunciou o corte de custeio e investimento nos três poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário). Além disso, o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, afirmou que o reajuste salarial de funcionários públicos não acontecerá, bem como novos concursos. E como fica quem já passou em um concurso?

De acordo com a assessoria de imprensa do ministério, quando o goveno abre algum concurso é porque já conta com a verba destinada para a contratação. Por isso, os profissionais que conseguiram passar nas provas, mesmo que ainda não chamados para trabalhar, terão os cargos garantidos. A única coisa que aconteceu foi a suspensão da contratação de novas pessoas por meio da realização dos concursos.

“Não posso falar em aumento de gastos no momento em que tenho R$ 40 bilhões de rombo na minhas contas, por conta da CPMF. Prefiro primeiro equilibrar o orçamento”, disse Bernardo, segundo a Agência Brasil.

Aprenda a investir na bolsa

Para os profissionais que já fizeram inscrição em provas, nada de parar de estudar. “Tem alguns casos de concursos que ou já estavam autorizados ou que foram pactuados com o Ministério Público que nós não temos planos de interromper, até porque, se eu fizer isso, terei que dar explicações”, afirmou Bernardo.

Aumento do mínimo

O ministro assegurou o aumento para o salário mínimo, previsto no oçamento de 2008. “Temos um acordo com as centrais sindicais e vamos manter. Portanto, mandaremos um projeto de lei mantendo os reajustes para R$ 408,90, que inclusive está previsto no orçamento”, afirmou. Já em relação aos reajustes dos servidores, ele disse que estão suspensos.

Para o diretor-executivo da Confederação Nacional dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef), Sérgio Ronaldo da Silva, o anúncio do ministro foi uma surpresa desagradável. “Esperamos que o governo não faça o corte. Dependendo da posição deles, a greve é inevitável”. A confederação deu prazo até 23 de janeiro para o governo se manifestar a respeito da anulação do reajuste.

Contrariando o ministro do Planejamento, o líder do governo no Senado, Romero Jucá, disse que os cortes do governo não afetarão os reajustes salariais. “Cada caso do funcionalismo é um caso. Cada categoria deve ser analisada individualmente. O governo irá honrar os compromissos que já firmou a respeito de reajustes salariais de servidores e aquilo que está em estudo será postergado até a votação do orçamento (da União para 2008)“, disse.

O ministro disse que só a partir da votação da proposta orçamentária, prevista para março, serão definidas quais as categorias que terão reajuste salarial em 2008 e quais as que “terão que aguardar a melhoria do sistema de arrecadação”.