Tendências 2015

FGV aponta tendência de deterioração no mercado de trabalho em 2015

"A tendência para os próximos meses é que fique estável ou que volte a cair gradualmente", disse Rodrigo Leandro de Moura, pesquisador do Departamento de Economia Aplicada do Ibre/FGV.

arrow_forwardMais sobre

A geração de vagas deve melhorar em dezembro, mas a tendência ainda é de deterioração no mercado de trabalho em 2015, segundo os dados dos Indicadores do Mercado de Trabalho – Indicador Coincidente de Desemprego (ICD) e Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) divulgados nesta quarta-feira, 07, pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

 

O IAEmp, que mostra a expectativa da variação do pessoal ocupado para os próximos meses, avançou 2% em dezembro ante novembro. Já o ICD, que retrata a percepção das famílias sobre a taxa de desemprego, recuou 1,1% no período.

PUBLICIDADE

 

“Acontece muito com as sondagens de expectativas, quando você tem um resultado muito negativo, no mês seguinte ele tenta compensar com uma variação positiva. Mas a gente não espera que (a melhora) se mantenha. Está mais para uma correção de expectativas do que para uma tendência positiva”, explicou Sarah Piassi Lima, pesquisadora do Ibre/FGV, lembrando que os indicadores registraram forte deterioração ao longo de 2014.

 

O IAEmp começou o ano passado aos 86,1 pontos. Em dezembro, o indicador já tinha caído para 76 pontos. A deterioração foi mais forte a partir de abril de 2014.

 

“Como caiu muito, agora houve uma retomada, mas não deve ser uma retomada do emprego. Esse indicador não vai voltar para o patamar de maio de 2014 (aos 79,3 pontos). A tendência para os próximos meses é que fique estável ou que volte a cair gradualmente”, disse Rodrigo Leandro de Moura, pesquisador do Departamento de Economia Aplicada do Ibre/FGV.

PUBLICIDADE

 

Segundo Moura, o indicador mostra que o emprego deve registrar alguma melhora em dezembro, ou até fevereiro, no máximo. O indicador já desconta os efeitos sazonais, como o tradicional aumento nas contratações durante as festas de fim de ano. Entretanto, a última vez em que o IAEmp esteve em patamar tão baixo foi no começo de 2009, época da crise financeira mundial.

 

Entre os setores que puxaram a melhora em relação a novembro está a indústria. “Justamente porque a expectativa dos empresários foi muito reduzida nos meses anteriores, então está compensando alguma coisa agora”, apontou Sarah.

 

“Não acho que a empresário vai continuar otimista nos próximos meses. Melhorou mais a situação dos negócios da indústria, não tanto a questão do emprego previsto”, ponderou Moura, acrescentando que os demais setores pesquisados também ajudaram a melhorar o indicador ante novembro, embora em menor grau.

 

No caso do Indicador Coincidente de Desemprego, o resultado aponta para uma expectativa de redução na taxa de desemprego em dezembro, mas sem inverter a tendência de aumento para os meses seguintes.

 

“Se nosso indicador estiver certo, a taxa de desemprego deve cair de novembro para dezembro, já considerando o ajuste sazonal. De qualquer forma, há tendência de alta, e deve continuar. O indicador de desemprego deve permanecer subindo, o que significa que o desemprego vai subir, principalmente por causa do avanço da PEA (população economicamente ativa). A oferta de trabalhadores deve aumentar em 2015”, previu Moura.